União reduz opções para varejo e consumidor

A união da Sadia com a Perdigão deve causar dor de cabeça aos donos de supermercados e aos consumidores, que ficarão nas mãos de um grande fornecedor, avaliam consultores especializados em varejo. É que, na prática, não existe uma empresa de âmbito nacional com um leque de produtos tão amplo e capaz de ser uma alternativa à gigante do setor de carnes que está se formando no mercado."Uma certeza existe: o preço ao consumidor não vai baixar", afirma o consultor Antonio Carlos Ascar, da Ascar & Associados. Ele considera que a união das duas empresas vai representar uma perda para o consumidor. Ele compara a fusão de Sadia e Perdigão à união entre a Brahma e Antarctica, que deu origem à Ambev. A diferença, observa, é que há uma infinidade de marcas de cerveja, o que não existe no setor de aves e suínos.O consultor Marco Quintarelli, da Quintarelli Solutions, diz que a preocupação do varejo com a união das companhias é antiga, desde a Sadia fez uma oferta hostil para a comprar a Perdigão, em 2006. Desde a aquela época, ficou claro para os supermercados que não havia uma empresa forte, de âmbito nacional, capaz de ser uma alternativa às duas. As marcas PifPaf e Rica, por exemplo, são forte nos mercados de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, respectivamente, por exemplo. "E são marcas mais de combate", diz o consultor. No curto prazo, até que surjam competidores de peso, o varejo e o consumidor ficarão presos à Brasil Foods.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.