Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Única certeza é que sobe e desce da Bolsa seguirá

Lembre-se que qualquer índice é um resultado médio ponderado, e não necessariamente é espelho de seus investimentos

Fabio Gallo, O Estado de S. Paulo

16 de março de 2020 | 05h01

Sempre mantive meus investimentos em renda fixa. No ano passado, com a queda de juros, entendi que deveria ir para ações para ter algum ganho. Mas a Bolsa ‘derreteu’. O que faço agora?

A única coisa racional a ser feita neste momento é manter a posição. É uma situação difícil e qualquer resposta pode ser considerada inconveniente, porque o bolso de cada um de nós está sendo atingindo e muitas poupanças estão virando pó. O pânico bateu em todos os mercados. A única certeza que temos é que o sobe e desce dos mercados vai continuar. Mas vamos colocar a coisas em perspectiva apenas para tentar mostrar que agir de maneira emocional neste momento pode levar a maiores perdas do que o necessário.

Muita gente olha os índices das Bolsas e toma a decisão de vender porque está perdendo, mas, mesmo que isso seja verdade, você está medindo o tamanho efetivo de sua perda? Lembre-se que qualquer índice é um resultado médio ponderado, e não necessariamente é espelho de seus investimentos.

No caso de alguém que tenha investido no mercado de ações no primeiro dia útil de 2019 e estava no mercado até o dia 11 deste mês, a queda acumulada do Ibovespa foi de 6,4%. Mas, se nesse período estava investido na Petrobrás, teria perda de quase 38%, enquanto se tivesse ações da Renner teria tido um ganho de mais de 20%. Para poder analisar mais adequadamente os seus resultados, você deve comparar a rentabilidade média ponderada de sua carteira com algum índice de mercado.

Por exemplo, o CDI, que no acumulado de 2019 até fevereiro de 2020, teve uma rentabilidade de 6,67%. Algo também muito importante a considerar é a distinção entre perda econômica e perda financeiro. A cotação cair gera perda econômica que pode ser recuperada no futuro, mas vender as suas ações na baixa significa perda financeira e esta é definitiva no seu bolso, não se recupera mais. Só faça isso considerando uma estratégia bem clara dentro de seu planejamento financeiro ou caso você esteja precisando de dinheiro e não tenha outra solução a não ser vender ações.

Sou portador de moléstia grave e já tenho idade avançada. Dentre as minhas aplicações, tenho PGBL e VGBL. Mas não entendo por que o banco não desconta IR do PGBL, mas no VGBL ele faz desconto na fonte.

O banco não está errado, infelizmente. Por uma questão de definição técnica, o Fisco faz uma leitura ao pé da letra da regra e dá a isenção aos detentores de moléstia grave no PGBL, e não no VGBL. Como declara a Receita, o VGBL a rigor não é um plano de previdência complementar, mas, sim, enquadra-se no ramo de seguro de pessoas.

Para melhor entendimento, o manual do Fisco sobre o IR informa que a pessoa portadora de doença grave é isenta de tributo sobre a renda oriunda de complementação de aposentadoria, reforma ou pensão recebida de entidade de previdência privada, Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi) ou PGBL e os valores recebidos a título de pensão em cumprimento de acordo ou decisão judicial ou ainda por escritura pública.

Em outros termos, somente planos de previdência e quando do recebimento mensal de benefício para complemento de renda podem usufruir da isenção. Os rendimentos oriundos do VGBL estão sujeitos ao imposto sobre a renda, na fonte e na declaração de ajuste anual. Note que no caso de resgate de saldo, mesmo no PGBL, não há isenção porque os resgates não são assemelhados ao benefício recebido da Previdência Social.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.