coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Unilever tira a tradicional marca Cica de metade de seus produtos

A decisão mundial da anglo-holandesa Unilever Best Foods de enxugar o vasto portfólio de marcas pequenas ou regionais, formado pela política de aquisições nos últimos anos, atingiu a tradicional Cica. Dentro de três meses, apenas três dos seis produtos existentes hoje manterão o logotipo Cica. A maionese Gourmet, a mostarda e o catchup Pic deixarão de exibir em seus rótulos a sexagenária marca. A partir de agora, os molhos passam a ser da Helmann´s e a Gourmet deixa de ser submarca para virar marca."A companhia escolheu a Hellmann´s como marca mundial e todo o foco na área de molhos se concentrará nela", afirmou o gerente de marca da companhia, Alexandre Bouza. Mas dificilmente a Cica, do antigo slogan "Se a marca é Cica, bons produtos indica", vai desaparecer. Vão sobrar atomatados, conservas e a linha de doces. Bouza lembrou que uma pesquisa para embasar a redução do portfólio mostrou que a marca aparece como fundamental na área de produtos culinários, o que impede seu desaparecimento. A idéia, ao contrário da descontinuidade, é reforçar a presença da Cica nos segmentos mais rentáveis. Serão os atomatados, a partir de agora, a vedete da marca. Em 2001, a Cica faturou US$ 150 mi e, deste montante, 90% foram gerados pelo segmento. O gerente garante que será aplicada uma cifra substancial em toda a linha, nas versões extratos (Elefante), molhos (Pomarola) e polpas (Pomodoro), que se mantêm na liderança com participação de 30% do segmento, totalizando 50% ao somar a marca Arisco.Com a mudança ainda em estudo, Bouza acredita que nos próximos 12 meses a companhia vai desembolsar cerca de US$ 10 mi só para o elenco de atomatados Cica. Com uma produção anual de 140 mil t/ano, a fábrica brasileira da Cica, instalada em Goiânia, é a maior planta do mundo da multinacional. Em termos de produção, a unidade é a 4ª maior do grupo, atrás de fábricas nos EUA, Itália e Austrália. Leia mais sobre o setor de Alimentos e Bebidas no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.