coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Uruguai adota livre flutuação do câmbio

O ministro da Economia do Uruguai, Alberto Bensión, anunciou hoje a adoção do regime de livre flutuação da moeda local, o peso, adotando o mesmo regime em vigor na Argentina e no Brasil para adequar-se à situação regional. Desde 1992, o país adotava o mecanismo de bandas com o dólar flutuando dentro de uma faixa de 12% com piso e teto determinados diariamente pelo Banco Central do país. Ontem, o dólar era cotado a 16,60 pesos uruguaios para compra e 17,60 pesos uruguaios para venda. Hoje, as corretoras de câmbio do Uruguai já negociavam o dólar por17 pesos uruguaios para compra e 22 pesos na ponta de venda, com a moeda norte-americana valorizando-se 25% sobre as cotações de venda do peso de ontem. A medida surpreendeu o cidadão comum, mas os operadores financeiros já previam que o país adotaria a livre flutuação diante da crise local e da nova realidade do Brasil e da Argentina. No discurso de anúncio da decisão, o ministro disse que o governo não estava "desvalorizando" o peso, mas liberando a sua flutuação. Apesar do discurso do ministro, analistas previam movimentos bruscos e forte depreciação do peso uruguaio. "Corremos o risco de sofrer uma depreciação do peso, mas depois a moeda pode subir ou cair. É que tem ocorrido em outros países", disse. "Um dos fatores que vinha afetando o nosso câmbio era o seu caráter de exceção, já que somos um país pequeno entre dois países grandes que adotaram a livre flutuação", afirmou Bensíon, referindo-se ao Brasil e, mais recentemente, à Argentina. O ministro uruguaio destacou que o nível das reservas internacionais do país, embora esteja 40% menor do que no início do ano, ainda é três vezes superior à base monetária. "Por esse motivo, estamos em uma posição confortável para enfrentar os desdobramentos desse tipo de sistema cambial", observou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.