Uruguai confirma construção de fábricas de celulose

O chanceler do Uruguai, Reinaldo Gargano, declarou, na manhã deste sábado, dia 1º, que serão construídas as duas fábricas de celulose que nos últimos meses tornaram-se o pivô da maior crise diplomática entre o país e a Argentina, desde 1995. Gargano afirmou que qualquer negociação com o governo do presidente argentino, Néstor Kirchner, terá de ser feita com a base de que as fábricas - uma pertencente à espanhola Ence, e a outra da finlandesa Botnia - serão instaladas sobre o rio Uruguai, que divide os dois países. Comissão conjunta Segundo Gargano, o governo de seu país aceitará a formação de uma comissão conjunta com a Argentina para realizar um monitoramento sobre as fábricas de celulose que são construídas há meses no município uruguaio de Fray Bentos. "Aceitaremos para mostrar que não existe poluição." Kirchner, que nunca antes havia mostrado inquietudes ecologistas, alega que as empresas são altamente poluentes, e que - além de prejudicar a saúde de cidadãos argentinos - liquidarão a piscicultura, a agricultura e o turismo na região. O presidente argentino exige a suspensão das obras na área da fronteira, só admitindo a instalação das empresas se elas forem realizadas no interior do Uruguai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.