Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Uruguai fica no Mercosul para evitar racha interno

O anúncio nesta semana da assinatura de um acordo comercial do Uruguai com o governo americano é uma tentativa do governo do presidente Tabaré Vázquez de solucionar uma disputa interna e, ao mesmo tempo, arrefecer uma crise externa. Essa é visão de diferentes analistas políticos sobre o anúncio feito pelo mandatário uruguaio na terça-feira, quando afirmou ter decidido fechar um Tratado de Promoção e Proteção de Investimentos (TPPI) com os americanos.?Com essa alternativa, com esse caminho, o presidente optou pela busca do consenso, uma tradição na política uruguaia?, disse à BBC Brasil, por telefone, o cientista político Miguel Serna, professor de ciências sociais da Universidade da República.Após meses de ameaças de deixar o Mercosul, disputas e declarações apimentadas, Vázquez optou por uma solução intermediária.Via do meioSegundo analistas, o TPPI é um acordo de intenções que poderá permitir ao Uruguai aumentar suas exportações aos Estados Unidos e atrair possíveis investimentos americanos sem obrigar o país a romper com o Mercosul. O acordo está longe de ser, ainda de acordo com os especialistas, um Tratado de Livre Comércio (TLC), algo que o governo uruguaio chegou a estudar. ?Um TLC como o que foi feito entre Estados Unidos e Peru seria mortal para o desenvolvimento da economia uruguaia?, diz economista Gerardo Caetano, professor de economia na mesma universidade. ?A melhor saída para o Uruguai é o Mercosul. Mas ainda espera-se que os dois maiores sócios (Brasil, Argentina e, agora, Venezuela) sejam mais generosos com os dois sócios menores (Paraguai e Uruguai).?Para ele, as discussões no governo uruguaio sobre o TLC surgiram como alternativa ?à falta de retorno? do Mercosul. A assinatura do TLC obrigaria o Uruguai a deixar o bloco. Disputa na cúpulaO debate sobre qual a amplitude que um acordo com os Estados Unidos deveria ter já durava meses. ?Foi uma luta interna muito difícil, mas o presidente escolheu a prudência e superou a tentação de um Tratado de Livre Comércio com os Estados Unidos. Ele evitou a divisão da Frente Ampla e entre seus ministros?, afirma Gerardo Caetano. Segundo os analistas, a Frente Ampla estava dividida em três partes. Aqueles que rejeitavam um acordo de livre comércio com Estados Unidos, os que defendiam o acesso ao mundo através do Mercosul e os mais pragmáticos, que pensavam que, se o Mercosul não funciona economicamente para o Uruguai, o melhor seria procurar outras saídas - possivelmente, o TLC com Estados Unidos. Esse debate envolveu, pelo menos, três ministros de peso do governo Vázquez. O ministro da Economia, Danilo Astori, era favorável ao TLC como alternativa para ampliar as exportações uruguaias ao mercado americano. O ministro das Relações Exteriores, Reinaldo Gargano, era contrário ao TLC, mas está decidido a tentar melhorar os resultados para o país no Mercosul. Finalmente, a ministra do Desenvolvimento Social, Marina Arismendi, era totalmente avessa ao debate que envolveria maior aproximação na relação econômica e comercial com Estados Unidos. ?A decisão do presidente foi a de manter a relação (entre diferentes partes do) partido e governo (equilibrada)?, afirmou Serna. Porta abertaA decisão tomada pelo Uruguai não representa, porém, o fim da crise do país com o Mercosul. Para Miguel Serna, o TPPI não significa o fim da discussão sobre a criação futura de ?algum tipo de TLC?. Na sua opinião, o TPPI deixa a porta aberta para o debate. Esse acordo entra em vigor em 1º de novembro e não precisa ser ratificado pelo Congresso.Atualmente, o mercado americano é o maior importador da carne uruguaia - carro-chefe da economia. Nos últimos cinco anos, o Uruguai deixou de ser dependente das vendas de seus produtos - maioria de agropecuária - para Brasil e Argentina. Hoje, suas exportações estão igualmente distribuídas entre Mercosul, Nafta (EUA, Canadá e México), União Européia, entre outras regiões, e o país tem mais liberdade para escolher seus parceiros.

Agencia Estado,

05 de outubro de 2006 | 13h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.