Uruguai intervém em banco argentino

O banco Galicia Uruguai, uma subsidiária do quase centenário banco Galicia da Argentina (o maior banco privado argentino ainda nas mãos de capitais nacionais), tornou-se a primeira vítima da corrida bancária ocorrida ao longo do ano passado em Buenos Aires. Fontes extra-oficiais sustentam que o banco teria perdido US$ 580 milhões desde dezembro do ano passado. Por este motivo, o Banco Central do Uruguai ordenou nesta quarta-feira a intervenção do Galicia Uruguai por um prazo de 60 dias, já que por falta de liquidez o banco não pode cumprir com o fluxo de retiradas de depósitos que está sofrendo.Durante esse período o banco estará fechado para atendimento público. A fuga sofrida pelo banco equivale a 40% do total de depósitos existentes no fim do ano passado. O Galicia Uruguai chegou a contar com depósitos de US$ 1,5 bilhão, mas atualmente não passa de US$ 700 milhões.A notícia causou impacto no Uruguai, mas na Argentina o abalo foi maior, já que do total de depósitos, 95% pertenciam a argentinos. Além disso, teme-se que isso abale mais ainda a imagem do Galicia Argentina, cobiçado por diversos bancos espanhóis, que desejam ampliar os negócios no país. Há quatro décadas o Uruguai tornou-se um dos principais paraísos fiscais dos argentinos, que ali costumam guardar dinheiro em dólares, a salvo das políticas econômicas dos sucessivos governos da Argentina.Segundo a diretora do BC uruguaio, Rosario Medero, a subsidiária uruguaia do banco argentino foi atingida pelo ?corralito? financeiro (denominação aplicada ao semi-congelamento de depósitos bancários em vigência desde dezembro na Argentina). "Nos últimos meses as fontes de recursos do Galicia ficaram imobilizadas, e as pessoas começaram a ficar preocupadas com seus depósitos, e por isso começaram a retirar o dinheiro?. Segundo Medero, ?quase 100% dos depositantes do Galicia Uruguai são argentinos?.A crise da subsidiária uruguaia começou em dezembro, quando a notícia de que o Galicia Argentina estaria a ponto de falir, despertou a desconfiança sobre o Galicia Uruguai, apesar da ?autonomia? teórica que esta entidade financeira teria em relação à matriz. O diretor do banco Galicia Argentina, Daniel Llambías, sustentou que os depósitos dos argentinos no banco Galicia Uruguai não correm ?risco algum?. Segundo ele, será formado um fundo que permitirá que os depósitos sejam entregues em um prazo ?muito curto, de dois anos?.O Banco Central da Argentina anunciou que fará ?tudo o que esteja ao alcance? para respaldar o Galicia Argentina. Segundo o comunicado do BC, o banco argentino e o uruguaio são ?independentes?. O Galicia Uruguai esteve sem funcionar desde o início da semana passada. Na ocasião, a explicação oficial indicava que os motivos eram o de uma greve dos funcionários do banco.O vice-ministro da Economia, Jorge Todesca, disse que ?é importante repensar a ação dos bancos públicos na Argentina?. O vice-ministro afirmou que este assunto é um dos pontos na agenda argentina com o FMI. Há vários anos que o Fundo pressiona os governos argentinos para que privatize o banco de la Nación e o banco de la Provincia de Buenos Aires.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.