Uruguai proíbe entrada de produtos avícolas do Brasil

As autoridades uruguaias proibiram a entrada de produtos avícolas do Brasil depois que foi detectado no sul desse país o vírus da doença de Newcastle, que afeta as aves e do qual o Uruguai está livre, informou nesta terça-feira uma fonte oficial.O Ministério de Pecuária, Agricultura e Pesca tomou a medida para preservar o status higiênico da produção uruguaia.O fechamento da fronteira, em particular a terrestre, com o estado do Rio Grande do Sul, foi decidido depois que o Governo brasileiro confirmou junto à Organização Internacional de Epizootias o foco da doença de Newcastle, fato que, posteriormente, foi comunicado ao Comitê Veterinário Permanente do Mercosul.Segundo informações, o foco de Newcastle foi detectado em uma fazenda da localidade de Vale Real, perto de Caxias do Sul, a cerca de 500 quilômetros da fronteira com o Uruguai.As autoridades de Montevidéu disseram que o país tem atualmente uma situação sanitária privilegiada na região quanto à essa doença.A proibição à entrada de produtos avícolas do foi decidida para que esse status sanitário seja preservado e os produtos que entram no país reúnam uma qualidade adequada. Argentina O Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar (SENASA) da Argentina também suspendeu nesta terça-feira as importações argentinas de aves vivas e subprodutos do Estado do Rio Grande do Sul. Em uma nota distribuída à imprensa, o Senasa explica que a medida é "transitória" e foi tomada após ter sido "detectado um foco da doença de Newcastle em frangos", no município de Vale Real."A medida tomada pelo organismo sanitário inclui a proibição do comércio fronteiriço de aves vivas e produtos avícolas, assim como também reforçar as medidas de controle nos postos de fronteira em relação ao transporte de aves vivas e produtos", detalhou a nota.O organismo explicou ainda que solicitou aos técnicos de campo das províncias de Misiones, Corrientes e Entre Ríos, que "permaneçam em estado de alerta para notificar qualquer suspeita da presença da doença".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.