Usiminas fecha primeiros nove meses com lucro

O aumento dos preços dos produtos siderúrgicos no mercado internacional, a melhora do mix, com redução no volume de placas vendidas e aumento da participação de produtos de maior valor agregado, e a valorização do real. Esses foram os fatores citados pela Usiminas que a ajudaram a fechar os primeiros nove meses do ano com um lucro líquido de R$ 954,5 milhões, contra um prejuízo de R$ 944 milhões apurado no mesmo período do ano anterior.O lucro líquido consolidado atingiu R$ 947,4 milhões de janeiro a setembro, contra um prejuízo de R$ 943,2 milhões registrado em igual período de 2002. O Ebitda cresceu 61,1% na controladora e somou R$ 1,372 bilhões, refletindo a recomposição das margens de comercialização e a contenção dos custos operacionais. O Ebitda consolidado foi de R$ 2,309 bilhões, com crescimento de 63,8%, se comparado ao mesmo o período do ano anterior.As despesas financeiras, favoravelmente impactadas pelo recuo na taxa de câmbio do dólar, que no período foi de 17,3%, atingiram um resultado líquido das receitas financeiras, de R$ 252,4 milhões na controladora e R$ 468,9 milhões no consolidado no atual período, contra R$ 838,3 milhões e R$ 2.634,5 milhões, respectivamente, no mesmo período do ano passado.InvestimentosO total de investimentos do Sistema Usiminas nos primeiros nove meses do ano somou R$ 166 milhões, aplicados em melhorias e reforma do alto-forno 2.A siderúrgica iniciou em 13 de setembro de 2003 a reforma programada do equipamento. A reforma, que possui parada estimada em 80 dias, é destinada à substituição de equipamentos mecânicos, refratários e atualização tecnológica, e requer investimentos da ordem de R$ 120 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.