Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Usiminas terá crédito de R$ 2,3 bilhões do BNDES

Recursos serão usados pela companhia como garantia financeira para implementar projetos de expansão

DANIELA AMORIM, RIO, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2011 | 03h02

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um limite de crédito de R$ 2,018 bilhões para a Usiminas. O dinheiro não é destinado a um projeto específico, mas servirá como uma garantia financeira para a empresa implementar os projetos previstos no plano de investimentos para o período de 2011 a 2016. Apesar de ter sido aprovado no início do mês, só agora o banco informou sobre o acordo.

Os recursos, disponíveis até 2016, serão direcionados à modernização e ampliação da capacidade das usinas de Cubatão, em São Paulo, e de Ipatinga, em Minas Gerais, além da construção de um empreendimento no Rio de Janeiro. Em fase de contratação, o processo deve ser concluído em até 30 dias, de acordo com o banco.

Na próxima fase, a empresa deve apresentar os projetos que receberão os recursos, e a liberação do crédito ocorrerá gradativamente, à medida que os investimentos forem executados.

Em outra operação, o banco de fomento liberou ainda R$ 318,5 milhões para a Usiminas, por meio de uma linha de financiamento chamada Finem.

Os recursos serão destinados à implantação de um novo laminador de tiras a quente na unidade de Cubatão. O laminador deve entrar em operação em março de 2012 e terá capacidade de processar 2 milhões de toneladas por ano.

Aprovação. O conselho de administração da Usiminas aprovou ontem os dois contratos de financiamento com o BNDES. Segundo a ata da reunião do conselho, o primeiro acordo com o banco, que resultou na aprovação do limite crédito rotativo para viabilizar o plano de investimentos, foi firmado em 20 de setembro. Já o financiamento para o laminador foi acertado em 13 de setembro.

Procurada pela Agência Estado, a Usiminas informou que não pode comentar o assunto por estar em período de silêncio, que antecede a publicação dos resultados financeiros relativos ao terceiro trimestre do ano.

Nem o banco nem a empresa revelaram a fatia que deve ser dedicada a cada um dos empreendimentos da companhia. No entanto, a Usiminas lançou em novembro do ano passado a pedra fundamental do seu Centro de Pesquisa e Inovação, a primeira unidade da empresa no Rio.

As novas instalações ocuparão uma área de 3,6 mil metros quadrados no Parque Tecnológico do Rio, dentro no câmpus da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Ilha do Fundão, na zona Norte da cidade.

De olho nas demandas do pré-sal, o objetivo do grupo siderúrgico é desenvolver tecnologias para o emprego do aço nos setores de petróleo e gás, indústria naval e exploração em alto mar. A Usiminas - que vive atualmente às voltas com notícias sobre uma possível troca no bloco de controle - também tem planos de construir um terminal portuário em Sepetiba, na zona Oeste do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.