Usina Boa Vista terá crédito de R$ 360 milhões do BNDES

A Usina Boa Vista, da Nova Fronteira - joint venture entre a Petrobrás Biocombustível e a São Martinho -, vai elevar sua oferta de etanol em 66% na próxima safra 2013/14, passando de atuais 210 milhões de litros para 350 milhões de litros. Para isso, vai expandir seu processamento de cana-de-açúcar de 2,5 milhões de toneladas para 4 milhões de toneladas. Até 2015, a meta é chegar aos 7 milhões de toneladas, de acordo com o presidente da Nova Fronteira, Fábio Venturelli.

EDUARDO MAGOSSI, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2012 | 03h09

Para chegar a esses números, a empresa conseguiu um financiamento de R$ 360 milhões do BNDES. A utilização do crédito vai ser referendada em assembleia geral extraordinária da Nova Fronteira marcada para 3 de outubro. "Temos esse crédito já aprovado pelo BNDES e vamos utilizá-lo para realizar nossa próxima fase de expansão, que vai sair de 4 milhões de toneladas de cana em 2013/14 para 5 milhões de toneladas em 2014/15 e chegar aos 7 milhões de toneladas em 2015/16", disse Venturelli, também CEO da São Martinho, que detém 51% da Nova Fronteira.

Venturelli ressalta, contudo, que as expectativas da empresa refletem um cenário onde a visão de matriz energética brasileira será favorável para investimentos em energia elétrica e etanol. A Usina Boa Vista, localizada em Quirinópolis, Goiás, produz apenas etanol e energia elétrica por meio da queima do bagaço de cana. O executivo explica que os investimentos estão sendo realizados tanto na indústria como em cana-de-açúcar, ao mesmo tempo, para que a capacidade de moagem se expanda junto com a oferta de matéria-prima. "Dessa forma, não teremos capacidade ociosa e seremos mais eficientes", afirma.

Na atual safra, a empresa vai plantar 21 mil hectares com cana, dos quais 13 mil são de áreas novas e 8 mil de reforma de canavial. "A maior parte da cana está plantada em terras próprias, o que tem se mostrado uma estratégia bastante positiva, pois temos um monitoramento maior dessas terras, o que se traduz em maior produtividade", disse.

Terras. Nesta safra, a Nova Fronteira vai investir R$ 100 milhões em cana, R$ 25 milhões na indústria e R$ 35 milhões em equipamentos agrícolas.

Segundo ele, a posse de terras tem se traduzido em uma estratégia vitoriosa na São Martinho. Em algumas áreas do Estado de São Paulo, a cana já está em seu 13.º corte e possui uma produtividade média de 90 toneladas por hectare, acima da média do Centro-Sul, que está em 74,3 toneladas de cana por hectare.

Com o plantio de 21 mil hectares, a área plantada da Nova Fronteira atinge 56 mil hectares. Quando todo o projeto estiver pronto, a área total plantada deverá chegar aos 90 mil hectares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.