Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Usinas aderem ao protocolo agroambiental de SP

O governo paulista já recebeu a adesão de 125 usinas de açúcar e álcool ao protocolo agroambiental do setor, cujo principal compromisso é o fim da queima da palha de cana-de-açúcar até 2017. O número já supera a meta prevista pela Secretaria do Meio Ambiente, que era de 100 a 120 unidades em 2007. "Ainda esperamos que mais 20 unidades possam aderir ao protocolo e que cheguemos bem próximo de atingir todas as 150 usinas e destilarias que estão em atividade em São Paulo ainda este ano", disse Ricardo Viegas, gerente do projeto Etanol Verde.De acordo com Viegas, as usinas que ainda não aderiram ao protocolo possuem problemas financeiros ou mesmo alguma questão ambiental. "Algumas acham que terão problemas com o Ministério Público", relatou. "Mas a meta foi superada e ficamos até surpresos", completou Viegas. Em todo o Estado, das 280 milhões de toneladas de cana processadas, cerca de 40% são colhidas com máquinas e 60% são queimadas, prática necessária para a colheita manual.A primeira diretriz do protocolo já assinado com as usinas prevê a eliminação da queima em áreas mecanizáveis até 2014. A previsão é de que, até 2010, o porcentual de cana não queimada nessas regiões esteja em 70%. A segunda prevê o fim da queima em áreas não mecanizáveis para 2017, com 30% já eliminadas em 2010. O protocolo ainda aborda outras oito diretrizes, entre elas a proibição de queima de cana já a partir de 1º de novembro deste ano em áreas novas de cultivo, a recuperação da vegetação no entorno de nascentes de água em propriedades canavieiras e a implementação de projetos de conservação.CertificadoApesar de não ter adesão obrigatória, as usinas que cumprirem as normas propostas no protocolo receberão um certificado de conformidade ambiental. Esse selo ambiental deve facilitar, por exemplo, a exportação de açúcar e álcool para países que ameaçam impor barreiras técnicas aos produtos brasileiros. Nos projetos técnicos de adesão entregues, as usinas precisam detalhar todo o cronograma de cumprimento de cada uma das diretrizes, bem como informar detalhes sobre as propriedades e a produção da unidade industrial.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

24 de novembro de 2007 | 13h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.