Usinas investem na produção de plástico biodegradável

PHB Industrial e Usina da Pedra são empresas que já produzem plástico a partir da cana-de-açúcar

RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO, RIBEIRÃO PRETO, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2012 | 03h03

O aumento da consciência ambiental aliado à escassez de petróleo e à tendência mundial de redução das emissões de gás carbônico na atmosfera fez com que as usinas sucroalcooleiras do País despertassem o interesse na produção do plástico biodegradável, fabricado através da cana-de-açúcar.

No município de Serrana, no interior de São Paulo, a Usina da Pedra já está produzindo em escala industrial o Biocycle, primeiro plástico biodegradável do País feito a partir da cana. No local, cerca de 5 toneladas do produto são usadas mensalmente na fabricação de descartáveis como embalagens, peças de automóveis, escovas de cabelo, canetas, materiais esportivos, agrícolas, entre outros.

Já o Grupo Balbo (Sertãozinho) e a Pedra Agroindustrial (Serrana) criaram a PHB Industrial e negociam uma aliança estratégica com um parceiro que terá a missão de distribuir, a partir de 2015, 10 mil toneladas do novo plástico.

Eduardo Brondi, gerente administrativo da PHB Industrial, conta que a planta-piloto para o estudo do plástico a partir da cana surgiu há 16 anos. Porém, foi há menos de um ano que parte da produção passou a ser usada comercialmente na fabricação de produtos como as escovas de cabelo.

De todo modo, ele afirma que a intenção ainda não é lucrar com esse plástico, mesmo porque a maior parte tem sido direcionada para projetos de desenvolvimento e pesquisa.

Segundo Brondi, o plástico é produzido durante o processo de fermentação da cana através de uma bactéria. Atualmente são em torno de 60 toneladas ao ano, sendo a maior parte encaminhada a parceiros no Brasil e no mundo. Entre esses parceiros estão faculdades e empresas do ramo automotivo, de cartões de crédito e de embalagens.

Os pesquisadores estão trabalhando para aprimorar a tecnologia. Eles querem desenvolver produtos para que, no futuro, o plástico biodegradável, que se decompõe no ambiente, seja usado comercialmente em larga escala.

Esse setor vem registrando crescimento entre 20% e 25% ao ano e tem despertado o interesse de países da Europa e dos Estados Unidos. A expectativa é que em poucos anos usinas brasileiras estejam fornecendo o plástico biodegradável para a produção de uma grande variedade de produtos.

Novidade. O maior problema, por enquanto, tem sido a necessidade de investimento para aumentar a fabricação. Por se tratar de uma tecnologia nova é preciso ainda aprimorar algumas questões para atender a demanda industrial. Estudos também são necessários para aprimorar a fórmula, uma vez que o plástico biodegradável de cana ainda não é, por exemplo, apropriado para fabricar sacolinhas ou produtos de espessuras mais finas.

A produção, porém, segue em expansão no Brasil. A previsão da PHB Industrial é de produzir 230 mil toneladas ao ano na próxima década. No mundo, estima-se que sejam consumidas em torno de 230 milhões de toneladas de plástico por ano. Mas, desse total, apenas 0,5% é produzido com material renovável, o que dá margem para que essa nova fórmula possa ser usada em larga escala em breve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.