Usinas térmicas podem paralisar operações se preços não aumentarem

As duas usinas termoelétricas merchants, que somente vendem energia no mercado à vista (spot), Eletrobolt, da Enron, e Macaé Merchant, da El Paso, deverão parar de funcionar já no próximo mês por conta da brusca queda no preço do Mercado Atacadista de Energia (MAE). Essas usinas foram concluídas no segundo semestre do ano passado e começaram a operar em novembro.Nas últimas duas semanas, o valor cobrado por megawatt/hora (MWh) no MAE caiu de R$ 134,76 para R$ 5,14 o que, segundo os empreendedores, não paga nem o custo de geração da térmica. Ao contrário da energia comprometida nos contratos bilaterais de longo prazo, cujo preço é fixo, reajustado anualmente, a geração das merchants segue a oscilação dos preços do mercado atacadista. Em cenários de desequilíbrio, ganham muito dinheiro, pois o preço do MAE sobe. Mas na estabilidade preferem ficar paradas por causa do preço baixo.A definição desse preço é feita a partir de um programa de computador que considera diversas variáveis, como o nível de armazenamento dos reservatórios, consumo de energia e possibilidade de chuvas. Por isso, com a recuperação de algumas represas o preço desabou nas últimas semanas. Mas essa fórmula não reflete a realidade, dizem especialistas. A argumentação é de que a situação do País ainda não é tão boa assim como traduz o preço. Segundo o presidente da Comercializadora Brasileira de Energia Emergencial (CBEE) - empresa estatal criada pelo governo para comercializar a energia das barcaças, por exemplo -, Mario Miranda, essas usinas somente serão acionadas em momentos de desequilíbrio. O próprio ministro da Casa Civil e presidente da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE), Pedro Parente, admitiu a paralisação dessas usinas durante este período chuvoso.Se o setor estivesse totalmente equilibrado, a paralisação seria normal. O problema, questionado por técnicos, é que a situação não é tão confortável assim.Outro empecilho que torna desinteressante para os empreendedores colocar essas usinas em operação é o não funcionamento do MAE, que não está fazendo nenhum pagamento das transações realizadas. Durante o racionamento, as merchants funcionaram com a condição de que a CBEE comprasse o montante produzido. Mas o governo somente aceitou pagar 90% do preço do MAE. Mesmo assim, o valor não foi pago até hoje. A previsão é de que o acerto de contas seja realizado na próxima quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.