Usineiros esperam aumento do consumo de álcool no mundo

O presidente da União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (Unica), Eduardo Pereira de Carvalho, disse hoje que deverá crescer muito nos próximos anos o uso do álcool como combustível em outros países. Se gundoele, isto foi constatado na conferência "World Ethanol 2004", realizada esta semana em Londres.Carvalho, que foi um dos principais palestrantes do evento, disse que os preços do álcool combustível no mercado brasileiro deverão continuar pressionados pelo menos até os primeiros meses de 2005, antes do início da próxima safra da cana-de-açúcar, em abril.Ao longo dos últimos doze meses, o preço médio do álcool combustível nas destilarias apresentou uma alta superior a 40%. Carvalho, no entanto, rebate as críticas de que o aumento seja resultado da ganância dos usineiros. "O que ainda boa parte das pessoas desconhece é que o mercado do álcool é livre, obedecendo à oferta e à demanda", explicou.O presidente da Unica atribui a elevação dos preços ao forte salto no consumo de álcool combustível no Brasil este ano. Além disso, as exportações de álcool praticamente triplicaram desde o passado, saltando de 750 milhões de litros para 3 bilhões de litros em 2004. "Se tivéssemos mais um bilhão de litros para exportar, eles também seriam vendidos", justificou.Segundo Carvalho, a entrada da nova safra de cana-de-açúcar em abril poderá ter fazer os preços baixarem, como aconteceu em fevereiro deste ano. "É possível que ocorra o mesmo em 2005, mas até fevereiro ou março os preços deverão permanecer elevados", avisou.Ele defendeu que a solução seria a criação de um estoque regulador ou de emergência, para evitar forte volatilidade nos preços do álcool. "Estamos defendendo essa proposta há muito tempo como uma forma de trazer mais estabilidade ao mercado", disse Carvalho.Perspectiva de maior consumo de etanol na EUCarvalho disse que o aumento dos preços do petróleo teve o efeito de "agilizar" o interesse de vários países no emprego do etanol como fonte de combustível. "O uso do etanol está ganhando corpo em diversas partes do mundo, como a Tailândia, Índia e China, e o recente comportamento dos preços petróleo está ajudando muito esse processo", disse.Ele lembrou que a partir do próximo ano entrarão em vigor as diretrizes da União Européia que recomendam aos países membros do bloco um aumento gradual da mistura do etanol na gasolina. A meta é atingir um percentual de 5,75% de etanol na gasolina em 2010. Segundo Carvalho, cada país europeu tem assumido uma atitude diferente diante do tema. "A Suécia já está avançada, na Inglaterra o assunto está sendo discutido no Parlamento, enquanto alguns pouco países por enquanto vêm evitando o assunto", disse.Questionado se haverá produção global suficiente para atender esse crescente interesse pelo uso do etanol, Carvalho se mostra confiante no equilíbrio futuro dos mercados. "O mercado se ajusta à realidade, é preciso não exagerar na preocupação", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.