Kim Kyung-Hoon/Reuters
Kim Kyung-Hoon/Reuters

balanço

Ouro é o investimento com melhor retorno no 1º semestre. Bolsa, o pior

Uso das reservas para limitar queda do yuan causa preocupação sobre a China

Dados mostram que em dezembro as reservas chinesas tiveram queda recorde de US$ 108 bilhões ante o mês anterior, atingindo o nível mais baixo em três anos

Danielle Chaves, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2016 | 14h26

SÃO PAULO - A estratégia da China de usar suas reservas internacionais para limitar a desvalorização do yuan é um dos motivos das preocupações dos investidores com o país. O sinal de temor do governo com a fraqueza da moeda local somado a indicadores ruins - como o Produto Interno Bruto (PIB), que teve em 2015 a menor expansão em 25 anos - vem alimentando uma fuga de capital dos mercados chineses.

Hoje, a corretora Shenwan Hongyuan Securities comentou que a China voltou a registrar saídas de capital na semana até 20 de janeiro. Durante o fim de semana, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, havia alertado para a estratégia chinesa de usar as reservas internacionais, dizendo que o "uso massivo das reservas não é particularmente uma boa ideia".

Desde agosto do ano passado, quando anunciou a inesperada desvalorização de 1,9% do yuan, o Banco do Povo da China (PBoC, o banco central do país) tem usado uma porção significativa das gigantescas reservas internacionais para anular apostas contrárias à moeda. Como resultado, dados divulgados no começo de janeiro mostraram que em dezembro as reservas tiveram queda recorde de US$ 108 bilhões ante o mês anterior, para US$ 3,33 trilhões, o nível mais baixo em três anos. A redução foi quase cinco vezes maior que o previsto.

Na semana passada a Administração Estatal de Câmbio da China (Safe, na sigla em inglês) ressaltou em um comunicado que as reservas internacionais do país continuam sendo as maiores do mundo e que o "risco da dívida externa é controlável".

No entanto, em linha com o comentário de Lagarde, analistas alertam para o tamanho da redução das reservas chinesas. Segundo cálculos do DBS Bank, as autoridades da China já gastaram US$ 663 bilhões das reservas para evitar uma desvalorização rápida do yuan. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.