Uso de biocombustíveis é crime contra a humanidade, diz ONU

Segundo Jean Ziegler, relator das Nações Unidas, argumentos a favor dos biocombustíveis perderam a validade

Efe,

14 de abril de 2008 | 11h34

O relator da Organização das Nações Unidas, Jean Ziegler, afirmou nesta segunda-feira, 14, em uma entrevista à Rádio Televisão de Baviera, que o uso de biocombustíveis se tornou um "crime contra a humanidade" em vista dos problemas que o mundo enfrenta atualmente com o preço dos alimentos.  Veja também:Mantega culpa subsídio de países ricos por inflação de alimentosLíderes mundiais pedem urgência contra inflação de alimentosPara FMI, alta dos preços ameaça estabilidade política  Álcool brasileiro tem menos impacto em alimentos, diz Bird  Especial sobre a crise de alimentos Celso Ming explica a alta da inflação  Economia global vive situação entre 'gelo e fogo', diz FMIProdução maior é saída contra inflação, diz LulaONU pede medidas urgentes contra inflação de alimentosEntenda os principais índices de inflação  Ziegler disse que a queima de milhões de toneladas de milho, cereais, arroz e outros produtos para produzir biocombustíveis é um fator importante nas fortes altas de preços de alimentos, ainda que tenha admitido que não é o único.  Entre os outros fatores citados por ele estão a política do Fundo Monetário Internacional - que obriga muitos países de terceiro mundo a ter uma agricultura orientada para a exportação às custas da economia de subsistência - e a especulação dos mercados que ajuda a disparar os preços dos alimentos. Ziegler advertiu que estamos atualmente no limiar de uma situação perigosa em que as manifestações contra a fome podem se multiplicar, protagonizadas por pessoas que lutam por sua sobrevivência e que temem por sua vida. A respeito dos biocombustíveis, ele afirmou que os argumentos originais a favor deles, tanto do ponto de vista da proteção do clima como do ponto de vista estratégico, não eram absurdos, porém, diante da ameaça de uma catástrofe humanitária, perderam a validade. "Os argumentos não têm validade frente ao desastre que nos ameaça. Hoje, o uso e fomento de biocombustíveis é um crime contra a humanidade", disse Ziegler. As declarações foram feitas depois de o Banco Mundial advertir que a alta nos preços dos alimentos em todo o mundo gerava risco de protestos violentos em 33 países. Em alguns, como o Haiti, as primeiras manifestações contra a inflação já foram registradas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.