Herton Escobar/Estadao - 7/10/2017
Floresta amazônica Herton Escobar/Estadao - 7/10/2017

Título verde movimenta US$ 8,1 bilhões no Brasil

Desde 2015 já foram feitas 50 emissões sustentáveis no Brasil; com esses papéis, empresas se comprometem a investir em projetos que gerem impacto ambiental positivo

Érika Motoda, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 07h10

Em um momento em que aumenta a demanda global por investimentos em “causas verdes” o Brasil soma 50 emissões sustentáveis e verdes no mercado de valores mobiliários, totalizando captação de US$ 8,1 bilhões. Ao emitir esses papéis, as empresas se comprometem a investir em projetos que gerem impacto ambiental positivo. A maioria está atrelada à exploração de florestas (38%) e  à geração de energia renovável (24%). 

Esses dados fazem parte de um levantamento feito pela empresa de soluções financeiras para impacto socioambiental Sitawi e compreende o período de maio de 2015 – quando a BRF lançou o primeiro título verde para investir em projetos de ecoeficiência – até a última captação de recursos, feita em agosto, pela Companhia Brasileira de Alumínio (CBA)

Embora a maior parte da captação tenha finalidade de manter os projetos das próprias empresas em andamento, já há iniciativas, como a do BV, que buscam atingir consumidores em geral, por exemplo, com o financiamento para compra de sistemas de energia solar.

O mercado internacional é o mais procurado, segundo a Sitawi, para a captação de recursos para projetos verdes: 69% dos papéis nacionais foram emitidos no exterior, e o instrumento mais utilizado foram as “global notes”, que representam 57% da carteira em volume negociado. O segundo instrumento mais utilizado foram as debêntures de infraestrutura, com 22%, mas estas foram todas vendidas no mercado de valores mobiliários nacional. 

Integrantes do Laboratório de Inovação Financeira (LAB) acreditam que é preciso preparar o ambiente regulatório no Brasil para atrair investidores privados para diversos tipos de empreendimentos, incluindo os ambientais, já que, para eles, será impossível que todo o recurso venha do governo, cada vez mais enroscado com a questão fiscal. O LAB foi criado para promover as finanças sustentáveis no País e é composto pela Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

“Temos feito um trabalho adicional com o CBI (Climate Bonds Iniciative) e o Ministério da Economia para mapear projetos federais que poderiam capturar financiamento (verde). Poder diversificar esse selo e converter o Brasil em líder na região é uma possibilidade bem interessante”, disse Morgan Doyle, representante do BID no Brasil.

 

Até 2030, seria possível transformar esses US$ 8,1 bilhões em trilhão, pois o País se comprometeu, no Acordo de Paris, a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos níveis de 2005. Segundo cálculos do Banco Mundial, isso vai requerer investimentos de US$ 1,3 trilhão para que o Brasil aumente sua participação em bioenergia sustentáveL, restaure e refloreste 12 milhões de hectares na Amazônia e melhore sua infraestrutura.

A emissão de títulos verdes segue os mesmos ritos das de um título tradicional –  desde a identificação de investidores, passando pela estruturação até ser colocado à venda no mercado – , apenas com um adicional: é preciso que um agente externo emita uma segunda opinião, atestando que o projeto de fato tem impacto ambiental positivo. 

A Sitawi emitiu a segunda opinião de mais da metade dos títulos verdes no mercado, e o diretor de finanças sustentáveis da empresa, Gustavo Pimentel, disse que tem atualmente 10 mandatos em avaliação, com total de emissões de R$ 5 bilhões previstos ainda para este ano.

Segundo a especialista em finanças do BID, Maria Netto, o mercado de valores mobiliários ainda não tem indicadores padronizados que demonstrem o desempenho dos títulos verdes em relação a seus pares tradicionais. "As Bolsas de Valores estão considerando possíveis índices de classificação de títulos verdes. Estamos tratando do tema com a Nasdaq, em Nova York, e com a LuxSe, de Luxemburgo, por exemplo. A B3 vem trabalhando conosco em uma plataforma de transparência para tentar ver como os usos de recursos dos títulos têm impacto verde."

Veja alguns dos títulos verdes emitidos no País e os projetos sustentáveis financiados por eles: 

BV

O BV se tornou, em março de 2020, o primeiro banco privado a emitir um título verde, que trouxe a certificação internacional do CBI. Os recursos vão para um projeto que prevê o financiamento de sistemas de energia solar. “Em julho de 2019, a carteira (do projeto) contava com R$ 71 milhões e, em julho deste ano, estava com R$ 455 milhões, um crescimento de mais de 500% em 12 meses”, disse o BV por nota. 

  • Projeto: Ampliação de financiamentos de sistemas fotovoltaicos em todo o País, principalmente para pessoas físicas e pequenos negócios. Com os recursos captados na emissão, foram instalados 61.500 kWp, que equivalem à redução de emissão de 43,5 toneladas de gás carbônico, o equivalente ao trabalho de 719 árvores desde sua fase inicial até adulta em um período de 10 anos. 
  • Título Verde: Global Notes no mercado exterior
  • Valor: US$ 50 milhões 
  • Rendimento: 3,35% a.a
  • Prazo de vencimento: 4 anos

BFR

A BRF inaugurou, em 2015, o mercado de títulos verdes no Brasil. Foi a primeira empresa a emitir títulos verdes para financiar projetos que atendessem a pelo menos um dos sete critérios de elegibilidade (veja abaixo no projeto). “A BRF é a única empresa do setor de alimentos que faz parte do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3, cuja finalidade é estimular a adoção de boas práticas”, disse a empresa por nota.

  • Projeto: Eficiência Energética e Energias Renováveis, Redução das Emissões,  Gestão de Recursos Hídricos, Gestão de Resíduos, Embalagens Sustentáveis e Eficientes, Gestão Sustentável de Florestas, Redução de Uso de Matéria-Prima
  • Título Verde: Senior notes
  • Valor: 500 milhões de euros 
  • Rendimento: 2,75% ao ano (em euros)
  • Prazo de vencimento: 7 anos

Burger King

O Burger King lançou o primeiro CRI verde no mercado brasileiro, em 2019, em parceria com a H2Energy, empresa que atua no setor de energias renováveis.

  • Projeto: Construção de cinco usinas de energia solar fotovoltaica no Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal para fornecer energia limpa para seus restaurantes 
  • Título Verde: CRI
  • Valor: R$ 18,6 milhões
  • Rendimento: 100% do CDI + 4,5% ao ano
  • Prazo de vencimento: 12 anos

Klabin 

A Klabin já emitiu dois títulos verdes no mercado internacional. O primeiro em 2017 e o segundo em 2019, que foi reativado em 2020. A empresa investe em 10 projetos sustentáveis e os que receberam os maiores aportes são focados em manejo florestal sustentável e energia renovável. 

2017

  • Título Verde: Green bond no mercado internacional
  • Valor: US$ 500 milhões
  • Rendimento: 4,785% a.a.
  • Prazo de vencimento: 10 anos

2019

  • Título Verde: Green bond no mercado internacional
  • Valor: US$ 700 milhões 
  • Rendimento: 7% a.a.
  • Prazo de vencimento: 30 anos

Manejo Florestal Sustentável:

Compra de madeira de integrantes do programa de fomento florestal da Klabin em parceria com instituições voltadas ao meio ambiente ou de produtores independentes. Cerca de 30% do total da madeira destinada à produção é adquirida de florestas de terceiros. 

Energia renovável:

Projeto de construção de uma unidade de produção de tall oil. Trata-se de um subproduto do processo de produção de celulose que pode ser utilizado como mais uma fonte de energia renovável. A obra, na cidade de Ortigueira (PR), foi projetada para produzir 2,5 toneladas por hora de tall oil, em média, com base na operação diária e oito horas de limpeza por semana. 

CPFL Renováveis

A CPFL se tornou, em 2016, a primeira empresa na América do Sul a emitir um título verde com certificação internacional do CBI. Também foi o primeiro título verde oferecido no Brasil. 

  • Projeto: Construção de unidades de energia eólica Campos dos Ventos e São Benedito, no Rio Grande do Norte, cuja capacidade instalada é de 201,6 MW e 23,1 MW respectivamente. Ambos os projetos entraram em operação em 2016 e estão em funcionamento
  • Título Verde: Debêntures no mercado brasileiro
  • Valor: R$ 200 milhões
  • Rendimento: 126% do CDI 
  • Prazo de vencimento: de 5 anos

Suzano

A empresa possui 1,2 milhão de hectares, dos quais quase 500 mil são áreas naturais preservadas ou em processo de restauração. O título verde que emitiu no mercado nacional, em 2016, foi para financiar suas atividades.

  • Projeto: operações florestais e industriais da empresa 
  • Título Verde: CRA
  • Valor: R$ 1 bilhão
  • Rendimento: 96% do CDI 
  • Prazo de vencimento: 8 anos

Taesa

A empresa emitiu quatro debêntures de infraestrutura em 2019 e 2020 para financiar linhas de transmissão de energia em Mariana (MG), Miracema (TO), Sant'ana do Livramento (RS) e Janaúba (MG). 

  • Projeto: linhas de transmissão de energia para integrar o Sistema Elétrico Brasileiro.
  • Título Verde: debêntures de infraestrutura
  • Valor: R$ 210 milhões; R$ 575 milhões; R$ 300 milhões; R$ 450 milhões 
  • Rendimento: as remunerações são todas atreladas ao IPCA, mais uma porcentagem que varia de 4,5% a 5,5%
  • Prazo de vencimento: 25 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O que falta para haver mais títulos verdes no mercado

Do lado dos possíveis emissores, 4,61% citam como fator um melhor preço; já os potenciais investidores pedem preços mais atrativos e competitivos

Érika Motoda, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 07h31

Ainda em desenvolvimento no Brasil, o mercado de títulos verdes tem potencial de crescimento por aqui, dizem especialistas. Segundo os dados mais recentes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a emissão de títulos de dívida temáticos, os chamados “títulos verdes, sociais ou sustentáveis", somou US$ 328 bilhões em todo o mundo no ano passado, alta de 57% ante 2018. Mas a América Latina e o Caribe responderam por apenas 2% desse total.

Criado para promover as finanças sustentáveis no País, o Laboratório de Inovação Financeira (LAB) fez uma pesquisa com possíveis emissores e investidores para saber quais incentivos e oportunidades poderiam fazer com que eles entrassem nesse mercado. 

Do lado dos emissores, 4,61% citaram como fator um melhor preço. “A gente precisa de mais ativos e ativos verdes, que vão ter impacto na liquidez. E os instrumentos estão colocados. As mudanças nos marcos regulatórios, por exemplo, vão viabilizar a maior quantidade de ativos à disposição”, afirmou José Alexandre Vasco, superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

Do lado do investidor, os títulos verdes precisariam ter preços mais atrativos e competitivos (6,43%). "As pessoas têm interesse na sustentabilidade, mas elas ainda veem sua decisão de investimento atrelada ao retorno ajustado, ao risco e à liquidez. Antes de tudo, ele é um investidor. Depois, ele traz a lente de sustentabilidade para essa decisão", disse Annelise Vendramini, coordenadora do "Guia para Emissão de Títulos Verdes no Brasil", publicado em parceria da FGV com a Febraban e o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS)

A falta de conhecimento tanto sobre o mercado e sobre o destino dos recursos é um dos maiores entraves para a entrada de novos agentes no mercado de títulos verdes, segundo a especialista em finanças do BID Maria Netto. Diante da necessidade de maior transparência, já que 47% dos emissores de títulos na América Latina ainda não informavam o destino dos recursos captados e os impactos dos projetos, o BID criou uma plataforma de transparência sobre esses ativos. 

A segurança jurídica também é um fator a ser perseguido na hora de atrair os agentes. "O setor de saneamento, que é extremamente importante no desenvolvimento sustentável, entrou para a lista de projetos de debêntures incentivadas com o decreto 10.387, de junho deste ano. No mês seguinte, já tivemos duas emissões emissão da Iguá Saneamento”, lembrou a gerente de Relações Institucionais do CEBDS, Tatiana Assali.

Na América Latina, os dois principais setores que emitem títulos verdes são ligados à energia (40%) e uso da terra – que abrange agricultura e manejo florestal – (36%), segundo o CBI. O restantes é dividido entre indústria (7%), projetos de resíduos (7%), recursos hídricos (5%), transportes (3%) e edificações (2%). 

Segundo Annelise, uma das explicações para isso é o perfil dos setores que estão emitindo os títulos. “Como o mercado de green bonds surgiu em países desenvolvidos, onde a agenda de sustentabilidade estava muito ligada à energia e ao transporte, foi natural o mercado começar e se desenvolver por aí.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.