Uso do álcool combustível é apresentado a indianos

A experiência brasileira com o etanol foi detalhada hoje, em Brasília, pelo diretor do Departamento de Cana-de-Açúcar e Agroenergia, Alexandre Strapasson, para representantes do setor privado e da imprensa indiana. Eles também conversaram sobre a produção brasileira de carros flex, que representa hoje 90% dos veículos fabricados no País. As informações são da assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura.Os indianos querem conhecer a experiência brasileira, que já dura mais de 30 anos, na utilização do álcool misturado à gasolina, que atualmente chega a 25%. A Índia pretende usar até 5% de álcool misturado à gasolina. Participaram do encontro o editor-executivo do grupo The Business Índia, Daksesh Parikh, e o chefe-geral da Pressman Advertising - Marketing Limited, Niren Suchanti. Strapasson explicou que a Índia considera a produção doméstica de álcool como uma alternativa aos períodos de preços ruins para o açúcar. A medida ajudaria também o país a não depender somente de combustíveis fósseis como a gasolina."Para consolidar o álcool no mercado internacional é importante que mais países produzam álcool", acrescentou. O diretor considera a Índia um país importante na consolidação do etanol como commodity internacional, mercadoria de comércio internacional. Strapasson explicou aos indianos a implementação do Zoneamento Agroecológico (ZaeCana) pelo governo para disciplinar a expansão da cana-de-açúcar. "Nós não produzimos cana-de-açúcar na Amazônia. A produção está concentrada em São Paulo e na região Nordeste, correspondendo a menos de 1% do território nacional", informou.ZoneamentoO secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Manoel Bertone, disse hoje, em reunião com representantes do governo espanhol, que o Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar (ZaeCana) será concluído até junho de 2008. A certificação socioeconômica do setor sucroalcooleiro também será definida até lá. Ele disse que a expansão do plantio de cana-de-açúcar não compromete a produção de alimento e frisou que a produção de cana, na atual safra, aumentou de 475 milhões para 550 milhões de toneladas. Bertone reuniu-se com o secretário-geral de Agricultura e Alimentação da Espanha, Josep Rocamora. De acordo com Bertone, as culturas de milho e soja também cresceram em termos de produção e produtividade. De acordo com ele, é evidente o interesse dos espanhóis pela agroenergia. "Empresas espanholas estão investindo em diversas áreas, e já começaram a ter interesse na produção de agroenergia", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.