Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Vacas e bois rastreados eletronicamente na UE

A Comissão Européia divulgou o resultado do projeto experimental sobre rastreabilidade de rebanhos, colocado em prática em seis países da União Européia (UE), onde foram testados vários dispositivos eletrônicos de identificação. A idéia é acompanhar toda a cadeia alimentar, desde a gestação até o processo de distribuição ao consumidor.O projeto Idea (Identificação eletrônica de animais) aplicou os testes em 5.300 fazendas e 980.000 ruminantes (vacas, búfalos, carneiros e ovelhas) em seis países membros (França, Alemanha, Espanha, Portugal e Holanda), entre março de 1998 e dezembro de 2001. O trabalho indica que os dispositivos eletrônicos testados permitem contar o gado mais rapidamente e "sem riscos de erro", segundo o relatório. O custo médio das opções consideradas por Bruxelas é de US$ 2,70 por cabeça. Os métodos tradicionais utilizados, atualmente, são tatuagens, marcas de tinta e argolas nas orelhas e focinhos.BolusSegundo a Comissão, o dispositivo eletrônico, chamado Bolus, foi um dos mais eficientes, entre os equipamentos testados. Ele consiste em dois pequenos componentes, um emissor e uma cápsula de proteção.O emissor é ativado por uma antena de leitura externa e emite um código de identificação do animal sob forma de sinal de rádio. Funciona à pilha, tendo sua corrente induzida pela própria antena de leitura. Já a cápsula de proteção funciona como um envelope de cerâmica, que se lacra para proteger o pequeno emissor. A opção da cerâmica, como revestimento, foi escolhida, segundo os técnicos comunitários, pela sua resistência às contrações químicas e mecânicas do estômago.A leitura dos dados codificados pelo emissor poderá ser feita de duas formas: pela aproximação de uma antena portátil perto do ventre do animal (leitura estática) ou pela fixação de uma antena de maior alcance à saída de um lugar cercado, fazendo passar o rebanho por aquele local (leitura dinâmica).A implantação do dispositivo deverá ser feita no segundo estômago do animal, no caso de ruminantes, introduzindo-o pelo esôfago por meio de uma pistola especial, onde o final do cano é provido por uma haste longa para impulsionar o dispositivo o mais próximo possível do estômago.Decisão As conclusões do projeto experimental, com opção de outros dispositivos, será discutida no Parlamento Europeu e a indicação deste debate será enviado ao Conselho de Ministros. Na primeira fase, somente ovinos e caprinos receberão a nova tecnologia para depois ser introduzida em outros ruminantes. Uma solução separada será estudada para os suínos. A aplicação eletrônica para animais deverá ser obrigatória nos países da UE a partir de 2006.

Agencia Estado,

13 de maio de 2003 | 08h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.