EFE
EFE

Vacas terão registro com foto na Índia

Moradores do estado ocidental de Maharashtra são intimados pela polícia a fotografar bovinos para 'ajudar' autoridades a fiscalizar nova lei contra o comércio de carne

EFE

01 Abril 2015 | 10h36


A polícia de uma cidade do norte da Índia intimou todos os moradores a apresentarem fotos das suas vacas e bois, um mês após a entrada em vigor de uma lei que proíbe a venda de carne bovina na região.

Os vizinhos da localidade de Malegaon, donde vivem meio milhão de habitantes, deverão fazer obrigatoriamente o registro de todos os bovinos com fotos para 'ajudar' as forças de segurança e autoridades a assegurarem o cumprimento da nova norma, implantada pelo estado ocidental de Maharashtra, disse o chefe da polícia local, Masood Khan.

Na semana passada, a polícia local registrou casos contra pelo menos três pessoas acusadas de sacrificar dois bois.

O inspetor informou que se trata de um dos primeiros casos registrados em Maharashtra após a lei que torna ilegal a prática. A pena para quem sacrificar animais é de até cinco anos de prisão.

A vaca é considerada um animal sagrado na região de religião hindu, majoritária na Índia, onde a carne bovina é considerada 'alimento dos pobres' e consumida sobretudo por cristãos, pelas castas mais baixas dentro do hinduísmo e pelos muçulmanos, que controlam o mercado de carne.

A Índia é um dos maiores exportadores mundiais de carne bovina, que representa 62% da sua produção total de carne, estimada em 6,3 milhões de toneladas anuais, segundo dados do Ministério do Comércio e Indústria.

A nova lei, que fixa multas de dez mil rupias (cerca de R$ 490,00), não afeta o sacrifício de búfalos, que representam 25% da população bovina do país.

Mais conteúdo sobre:
ÍndiaCarne bovina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.