REUTERS/Thomas Peter/Arquivo
REUTERS/Thomas Peter/Arquivo
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Vacina não é só vacina

População vacinada produz impacto positivo na economia, nos investimentos, na retomada do emprego, na educação, na cultura e na vida social

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2020 | 18h57

O Instituto Butantan adiou o anúncio do nível de eficácia da vacina Coronavac, que deveria ter acontecido hoje. A razão admitida foi a de que ficou necessário consolidar os resultados dos testes finais com os dos outros centros que vêm desenvolvendo o produto na China, na Indonésia e na Turquia. (Veja sobre isso o Confira.)

Mesmo que o governo do Estado de São Paulo mantenha o início da vacinação para o dia 25 de janeiro e mesmo que o Instituto Fiocruz, do Rio de Janeiro, também obtenha dentro de mais algumas semanas a vacina britânica da Oxford, não basta apenas contar com a aprovação da Anvisa, a agência reguladora do setor, para dar início ao processo de vacinação em massa, mesmo em caráter emergencial.

Ainda é preciso definir como o processo de imunização acontecerá. É preciso saber quais grupos terão prioridade, com que vacina, em que condições e com que logística será aplicada. Começar pelos profissionais de saúde e com os idosos de apenas um Estado é bem diferente de atender a esses segmentos preferenciais na maior parte do território nacional.

Esses temas se tornaram essenciais, especialmente depois das confusões em que se meteram o presidente Bolsonaro e seu ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

Como em tantas outras questões, Bolsonaro não se limitou a fazer opções erradas. A maneira como vem lidando com a vacina se transformou em tiros em seus próprios pés. Se é para condenar a quarentena e o isolamento social para que a economia não desabe e, assim, produza estragos ainda maiores do que os da doença – como ele próprio argumentou –, então seria melhor dar toda a força para a vacina, o instrumento que abriria o caminho para a recuperação da economia.

Essa postura negacionista em relação à covid-19 atendeu às necessidades eleitorais do presidente: com uma economia em desabamento, como o que se seguiria ao isolamento social, Bolsonaro perderia ainda mais apoio político e não teria condições de se reeleger, como pretende. No entanto, porque viu que a vacina salvadora do Butantan injetaria ar quente no balão de seu adversário político, o governador João Doria, Bolsonaro resolveu atacar não só a Coronavac, mas quaisquer outras vacinas. Com isso, viu seu próprio balão murchar ainda mais.

Uma população vacinada não produz impacto positivo apenas na economia, nos investimentos e na retomada do emprego. Produz, também, em outras atividades: no ensino, no acesso à cultura, na vida familiar e na vida social. É preciso repensar e enfrentar, por exemplo, os problemas que surgirão com o retorno às aulas, mesmo antes da vacinação em massa. Pergunta inadiável: haverá vagas para os alunos que perderam o ano e que se somarão aos que passaram a atingir a idade escolar? As disparidades aumentaram. A população mais pobre não conseguiu acesso ao ensino nem por meio digital, porque não tem computadores.

Hoje a vacina ainda é produto escasso. Há apenas cinco com eficácia comprovada. Mas logo virão outras. Pelos levantamentos da Organização Mundial da Saúde (OMS), há no mundo 223 em desenvolvimento, das quais 10 estão em fase final de testes.

CONFIRA

» Níveis de eficácia

Três dúvidas permaneceram depois do adiamento do anúncio sobre a eficácia da vacina Coronavac. Primeira: ficou dito que o produto do Butantan apresentou níveis de eficácia superiores aos de outras vacinas. Mas também foi dito que a Coronavac atingiu o “limiar de eficácia”. Ora, limiar deve ser entendido como o ponto mais baixo. Se é isso, como entender o tal nível superior de eficácia?

» Equalização?

Os níveis de eficácia dos outros centros de desenvolvimento da vacina são diferentes a ponto de exigirem equalização. Que critérios adotar para essa uniformização se as pesquisas podem ter sido feitas em grupos diferentes?

» Cronograma questionado

Não dá para confiar no cronograma do governo paulista para o início de vacinação em 25 de janeiro, no Estado de São Paulo. Essa data depende ainda dos números finais da Sinovac e também da Anvisa, que pode precisar de mais tempo para liberar a vacina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.