Tiago Queiroz/Estadão - 1/7/2020
Tiago Queiroz/Estadão - 1/7/2020

Vacinação em massa contra covid é fundamental para retomada da economia, diz CNI

Na avaliação da entidade, a imunização permitirá o retorno seguro às atividades produtivas e diárias e a recuperação do mercado consumidor e dos investimentos

Sandra Manfrini, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2021 | 15h56

BRASÍLIA - A vacinação em massa da população brasileira contra a covid-19 será fundamental para a melhoria do ambiente de negócios e a retomada da economia de modo sustentado, na avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A entidade destaca que a imunização permitirá o retorno seguro às atividades produtivas e diárias, a recuperação do mercado consumidor e dos investimentos. A consequência será a reativação de todos os setores da economia, avalia a CNI.

O presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, diz que, à medida que a vacinação avançar, as incertezas econômicas, políticas e sociais relacionadas à pandemia deverão se dissipar.

"A confiança trará novo fôlego ao consumo e à produção, o que acelerará a recuperação das perdas deixadas por esta que é uma das mais graves crises sanitária e econômica enfrentadas pela humanidade", afirma Andrade em nota divulgada pela CNI. Segundo ele, com a redução das incertezas em relação à economia, os esforços poderão ser concentrados nas ações necessárias para o País iniciar um ciclo de crescimento sustentado.

"O nosso grande desafio é fazer o Brasil voltar a crescer acima de 2% ao ano de maneira sustentada, isto é, por um longo período. Para isso, o Brasil precisa eliminar o Custo Brasil e garantir um ambiente que favoreça a atração de novos investimentos", diz o presidente da CNI. As projeções da entidade indicam que o Brasil deverá crescer 4% neste ano e a indústria, 4,4%.

A CNI reafirma a defesa da reforma tributária ampla para a redução efetiva do custo Brasil. Além disso, defende a modernização de marcos regulatórios que deem segurança jurídica e garantam respeito aos contratos, para que o País possa atrair investimentos em infraestrutura. 

Outro desafio do País, para a entidade, é o reequilíbrio das contas públicas e a manutenção do teto de gastos. "Um passo decisivo nessa direção seria a aprovação de uma reforma administrativa, que racionalize os gastos públicos e melhore a qualidade dos serviços prestados à população", acrescenta Andrade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.