Vagas de trabalho nos EUA têm a maior alta dos últimos 6 meses

A surpreendente elevação de 337 mil no número de novas vagas de trabalho oferecidas nos EUA em outubro pode levar os negócios em Nova York a fechar bem a semana em que os norte-americanos reelegeram George W. Bush à presidência do país. Segundo o Departamento do Trabalho esta foi a maior elevação em seis meses. Superou as expectativas dos mais otimistas, que projetavam um aumento, no máxima, de 325 mil nas vagas disponíveis em outubro. A previsão mediana dos analistas consultados pela Dow Jones era alta de 192 mil. Muitos especialistas buscaram ater-se ao fato de que os números trazem vagas que foram criadas por efeito dos furacões, que atingiram os EUA em setembro, assim como contratações relacionadas às eleições. No entanto, outros disseram que a relevância desses números pode ser facilmente contestada, já que, mesmo sem contabilizá-los, o aumento nas contratações seria suficiente para caracterizar uma situação promissora no mercado de trabalho dos EUA. E ainda, os números de vagas oferecidas em setembro e agosto foram revisados em alta, reforçando o cenário positivo. Expectativa de alta dos juros Diante da maior elevação já registrada nos últimos seis meses na oferta de trabalho nos EUA, cresceram as apostas de que o Federal Reserve poderá promover alta no juro também em dezembro. O mercado vinha dividido quanto à possibilidade de o Fed subir ou não as taxas na última reunião do ano. No entanto, depois dos expressivos números desta manhã, mais investidores passaram a acreditar que as autoridades monetárias não irão interromper o ciclo de ajuste no juro norte-americano. Até o petróleo acabou influenciado pelos dados norte-americanos. Investidores desse mercado avaliaram que o aumento na oferta de trabalho nos EUA é indício de aceleração na atividade econômica e, portanto, de perspectiva de elevação na demanda pelo produto. Os contratos futuros de petróleo negociados em Nova York encerraram o dia em alta de 1,62%, negociados a US$ 49,61 o barril. Em Londres, contrato futuro de petróleo tipo brent subiu 1,06%, negociado a US$ 46,50 o barril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.