Vale admite abrir exceções no reajuste do minério

Clientes chineses estão insatisfeitos com os contratos trimestrais, diante da queda no mercado à vista

KARLA MENDES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2011 | 03h07

A Vale já admite exceções para a fórmula de reajuste trimestral dos preços do minério de ferro. Ontem, o presidente da mineradora, Murilo Ferreira, disse que a empresa pode adotar outras formas de negociação da matéria-prima, conforme a demanda dos clientes.

"Numa situação em que há um vendedor de um lado e um comprador de outro, não há imposição de condições", ressaltou o executivo, antes de participar de uma audiência sobre royalties da mineração no Senado.

Segundo o executivo, a Vale não deseja vender minério baseando-se no preço do mercado à vista (spot).

"Essa não é a nossa política", enfatizou. Ferreira reforçou, porém, que demandas específicas são analisadas caso a caso. "Se existem clientes que demandam arranjos diferentes, nós analisamos, colocamos numa planilha e vemos se podemos chegar a um acordo. O nosso interesse é vender o material e o deles é comprar."

Ferreira descartou, no entanto, a hipótese de a empresa abandonar a fórmula de precificação trimestral de maneira generalizada.

"Não estamos abertos a mudar a fórmula", afirmou. "As condições são as que estão vigendo no momento. A Vale tem uma forma de precificação, mas se alguém quiser comprar numa condição diferente, isso é discutido", disse. Ferreira ressaltou que a fórmula trimestral "tem funcionado bem", tanto que está vigente há três semestres.

Conforme revelou o Estado na edição de sábado, a mineradora já estaria oferecendo aos clientes chineses a opção de pagar, no último trimestre do ano, preços do minério de ferro próximos às cotações no mercado à vista.

Segundo uma fonte do setor, se os fornecedores migrarem para uma precificação à vista, a Vale será forçada a acompanhar o movimento.

A anglo-australiana BHP Billiton saiu na frente e anunciou a criação, até 2012, de uma plataforma online para as vendas de minério de ferro.

A razão para a mudança é a trajetória declinante do preço do insumo, que atingiu na sexta-feira passada o menor patamar em onze meses no mercado spot chinês, com a tonelada cotada a US$ 157. Diante desse cenário, clientes chineses estão insatisfeitos em permanecer com os contratos trimestrais, que podem elevar o custo do minério em até US$ 15 por tonelada.

China. A desaceleração da economia chinesa no terceiro trimestre não deixou o presidente da Vale preocupado. "Cresceu 9,1%. Você acha pouco?", questionou Ferreira, citando a taxa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) chinês no trimestre passado.

Entre abril e junho, a economia do gigante asiático havia crescido 9,5%. A China é o principal destino de vendas da mineradora brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.