Vale anuncia expansão da maior mina de alumina do mundo

A Vale inaugurou nestaquinta-feira uma expansão de 1,1 bilhão de dólares na maiorrefinaria de alumina do mundo com o objetivo de elevar empraticamente 50 por cento a sua produção, para 6,3 milhões detonelas por ano. Duas novas linhas de produção de alumina, usada nafabricação de alumínio, foram oficialmente inauguradas naplanta da Alunorte, controlada pela Vale no Pará. "É um desenvolvimento que marca um novo ciclo dedesenvolvimento para o Estado do Pará", afirmou o presidente daVale, Roger Agnelli. Segundo a companhia, a expansão criou 700 novos postos detrabalho dentro da planta. Mais da metade da bauxita fornecidaà fábrica chegará pelo duto de 244 quilômetros que se estendedesde a mina de Paragominas. O minério será transportado com aforça da água pelos canos. O duto entrou em operação no anopassado e é o único deste tipo utilizado na produção dealumina, afirma a Vale. Os acionistas minoritários da Alunorte são a norueguesaNorsk Hydro e outras quatro empresas japonesas. A Vale declarou que planeja investir um total de 59 bilhõesde dólares até 2012. Um quarto desse valor será aplicado emprojetos no exterior. A companhia também anunciou a construção de uma fábrica deaço laminado com capacidade inicial de produção de 2,5 milhõesde toneladas por ano. De acordo com a Vale, a planta poderágerar 3.500 empregos diretos e outros 14.000 indiretos. A Vale investirá ainda 898 milhões em uma usinahidrelétrica em Barcarena, onde a Alunorte está situada. Comcapacidade de 600-megawatt, a usina fornecerá energiasuficiente para abastecer as plantas da companhia. "O que temos nos próximos anos é um enorme desafio... paraa nossa companhia, nossos trabalhadores e para o povo do Pará",afirmou Agnelli, referindo-se aos investimentos da Vale, dosquais pelo menos 5 bilhões de dólares serão aplicados no Pará. Questionado se a Vale planejava comprar a mineradoraaustraliana Felix Resources, Agnelli afirmou: "Isso éinteressante...nada foi definido. Depende dos vendedores". Um porta-voz afirmou mais tarde que com isso Agnelli nãoquis dizer que as empresas estão negociando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.