Vale: apesar de incorreto, bancos antecipam prazos

O investidor corre o risco de perder o prazo para reservar a compra de ações da Companhia Vale do Rio Doce nos Fundos Mútuos de Privatizações (FMPs) com recursos do Fundo de Garantia do Tempo do Serviço (FGTS). Isso porque algumas instituições não receberão as aplicações até o horário de fechamento das agências na próxima sexta-feira, antecipando o horário limite. Algumas anteciparam até mesmo a data.Exemplo disso é a Sul América Investimentos, que aceitará a reserva até as 12h desta quinta-feira. De acordo com o gerente de informações, Marcelo Beraldo, o banco não pode atender os investidores até o fechamento das agências, às 16h, na sexta-feira, pois existem problemas operacionais. "Os fundos da instituição são custodiados pelo Itaú e, portanto, temos que transmitir as informações para o Itaú para que ele as repasse para a Caixa Econômica Federal", afirma. O Banco Alfa encerrou hoje as reservas feitas pela Internet e o investidor que aplicou por meio deste canal poderá entregar amanhã a documentação em uma das agências da instituição. O banco também havia antecipado o encerramento das aplicações nas agências, para esta quinta-feira. Porém, o diretor de distribuição, Antonio César Costa, afirmou que a instituição resolveu ampliar o seu prazo e aceitará as reservas até sexta-feira, às 16h.No banco Safra, o prazo máximo para recebimento das reservas é sexta-feira às 15h. Segundo informou a Assessoria de Imprensa da instituição, este prazo é muito mais uma recomendação do que um limite efetivamente. O banco garante que um investidor que chegar a uma agência do banco após este horário será atendido e que a antecipação de 16h para 15h como horário limite na sexta-feira é uma forma de evitar um acúmulo de pedidos de reserva nos últimos minutos de atendimento bancário. Com o mesmo objetivo, a Fator Administração de Recursos antecipou o horário de recebimento das reservas na sexta-feira. Segundo informou o supervisor administrativo da instituição, Mauricio Costa Ribeiro, o limite de horário será às 14h. "Mas é possível que o banco atenda clientes que ultrapassarem este horário, caso não haja um acúmulo de pedidos", esclarece. Bradesco, Finasa e ABN Amro informaram que aceitarão a reserva para a compra das ações da Vale com recursos do FGTS até o fechamento de suas agências, na sexta-feira. Procurados pela reportagem da Agência Estado, Itaú e Sudameris não informaram seus horários limites para investimentos nos fundos FGTS-Vale até o fechamento desta apuração.BNDES e BB contestam explicações O principal motivo apresentado pelas estas instituições que anteciparam o prazo de recebimento das reservas para a compra destas ações é que existe um horário-limite para a transmissão dos dados à CEF, que é a gestora das contas do FGTS. A Assessoria de Imprensa da Caixa confirmou que, de fato, existe este prazo para o envio de informações - 24h de sexta-feira.Por outro lado, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) considera que a antecipação dos prazos não é uma prática legal e deve ser vista como uma atitude arbitrária por parte dos bancos. Por meio de sua Assessoria de Imprensa, a instituição afirmou que ao investidor não restaria outra opção além da escolha de um outro banco. Já o Banco do Brasil, um dos coordenadores da operação, pretende discutir com o BNDES uma forma de punir as instituições que não aceitem a aplicação até às 16h de sexta-feira.Vale lembrar que os dados de cada captação a serem informados pelos bancos à Caixa, até às 24h de sexta-feira, são o número da conta do FGTS e o valor ou porcentual dos recursos do Fundo a serem aplicados. A Caixa vai analisar os dados transmitidos até o dia 20 e, em caso de erro, o banco será avisado. A partir da notificação do erro, a instituição que fez a reserva da aplicação terá dois dias úteis para retificar as informações.Veja mais informações sobre a operação de venda das ações da Vale e a cartilha completa do investimento nos links abaixo.

Agencia Estado,

14 de março de 2002 | 09h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.