Vale avalia compra da Xstrata, diz ''''Times''''

Grupo teria contratado bancos para fazer oferta por mineradora suíça

O Estadao de S.Paulo

11 de dezembro de 2007 | 00h00

A Vale estuda a possibilidade de fazer uma proposta de compra da mineradora anglo-suíça Xstrata, segundo reportagem do jornal britânico The Times. De acordo com o jornal, o grupo brasileiro teria contratado um banco de investimentos - o Lehman Brothers, segundo outro jornal britânico, o Financial Times - para avaliar a empresa. O valor de mercado atual da Xstrata é de US$ 71 bilhões.A Vale disse que não iria se pronunciar sobre o assunto. A Xstrata também se recusou a falar sobre o tema. O The Times, citando uma fonte próxima ao processo, disse que o interesse da Vale está em estágio inicial e que não há decisão sobre uma aproximação ao conselho de administração da Xstrata com uma proposta.O possível interesse da Vale surge em meio à mais nova onda de consolidação no setor de mineração mundial. No início do mês passado, a anglo-australiana BHP Billiton, maior mineradora do mundo, anunciou o interesse na também anglo-australiana Rio Tinto, a terceira maior do mundo. A oferta da BHP, toda em ações, avaliava a rival em cerca de US$ 140 bilhões. A proposta, porém, foi recusada pela da Rio Tinto.Na avaliação do Citigroup, é improvável que a Vale compre a Xstrata. Mas o banco preferiu não descartar totalmente a hipótese. Segundo o banco, um acordo de curto prazo é improvável, principalmente por causa dos desafios do financiamento necessário para a oferta. "Mas nada pode ser descartado no clima atual de fusões", avaliou o banco."Uma oferta pela Xstrata faria sentido operacional, por causa do carvão e do cobre, mas seria complicada", disse um analista de um grande banco brasileiro. "A Vale teria de emitir ações e isso poderia trazer problemas. Duvido que aconteça." Segundo ele, seria mais provável uma compra parcial ou algum empreendimento conjunto com mais alguém. Um outro analista disse, no entanto, que a Xstrata, "obviamente, tem muito sentido para a Vale". Além disso, como o valor de mercado da empresa é muito menor que o da Vale (que está hoje em cerca de US$ 160 bilhões), a compra não é uma meta impossível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.