Vale: ciclo de alta das matérias-primas vai continuar

O presidente da Vale, Roger Agnelli, afirmou hoje que o ciclo de alta das matérias-primas (commodities) metálicas ainda não cessou, mesmo com a crise financeira nos Estados Unidos. "Nunca na história se viu um consumo tão grande de metais e a oferta está escassa", disse. Para ele, a crise está localizada no mercado americano e não deve afetar a China, a Índia e a Rússia.Mesmo que o impacto chegue aos metais, o presidente acredita que o minério de ferro não será atingido. "O minério de ferro não é uma commodity negociada na Bolsa de Londres e obteve uma alta de 65% em meio à crise financeira", disse. As pelotas de ferro tiveram uma alta ainda mais expressiva, de 86%. Agnelli afirmou que a recessão pode reduzir o acesso a crédito para empresas com alto endividamento, porque os bancos e investidores tendem a fugir do risco, mas informou que a Vale não terá este problema.Para o executivo, a volatilidade dos mercados não vai atrapalhar as negociações para compra da mineradora anglo-suíça Xstrata porque operações deste porte são baseadas em fundamentos de longo prazo e na capacidade de geração de caixa, e não no curto prazo. O mercado teme que a queda das ações da Vale dificulte o negócio com a Xstrata, que será parcialmente financiado com troca de ações. Agnelli concedeu uma entrevista coletiva à imprensa hoje, depois de receber o prêmio de personalidade de vendas da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB), em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.