Vale declara força maior em embarques para a China

A Vale, maior produtora de minériode ferro do mundo, declarou força maior sobre algunscarregamentos do mineral com destino para para China, ajudandoa elevar o preço do minério de ferro no mercado 'spot' (àvista) para um novo recorde. A elevação nos preços do mercado à vista torna mais difícilpara as siderúrgicas limitar aumentos de preço para o próximoano nas negociações com grandes mineradoras mundiais, entreelas a BHP Billiton e a Rio Tinto . Traders do mercado de minério de ferro na China informaramque a Vale comunicou a alguns compradores que precisariasuspender embarques no porto de Sepetiba por 10 dias. Segundo a administradora do porto, a Companhia Docas do Riode Janeiro, um acidente com o navio Nordstar, no último sábado,em um pier do porto, interrompeu os embarques da Vale. "Os navios da Vale não estão podendo atracar, mas o pierestá sendo consertado e tudo será normalizado entre sábado edomingo", informou a assessoria de imprensa da Docas. A Vale não soube confirmar a informação. Segundo aassessoria da mineradora, nenhum executivo da companhia estavaimediatamente disponível para informar sobre a suspensão dosembarques. Segundo os traders, a suspensão afeta 12 embarcações, oupossivelmente mais de 1 milhão de toneladas. O tempo entre ocarregamento e a liberação para navegação dos navios pode levaraté 20 dias, provocando mais problemas aos já congestionadosportos brasileiros. "A força maior não é só um rumor. Já passamos por isso",disse um trader. "Temos vários navios lá... Dois ou três deles foramafetados. Uma dúzia está esperando lá." Uma autoridade da Vale na China não quis comentar oassunto. O problema é restrito a apenas um berço no Brasil, masocorre em um momento de fornecimento apertado de minério deferro na China por conta de congestionamentos nos portos daAustrália, da oferta limitada de minérios produzidosinternamente e do ritmo lento nas exportações indianas. PREÇOS ALTOS, RESTRIÇÃO DA OFERTA Os preços do minério de ferro no mercado 'spot' da Índiaatingiram o patamar de 200 dólares por tonelada, custo e frete-- mais que o dobro dos preços do início do ano --, ante 185dólares na semana passada, de acordo com traders chineses, queesperavam níveis ainda mais altos para o mercado. "No momento, nenhuma siderúrgia está disposta a pagar estespreços. Mas posso prever que os preços chegarão a estes níveisna próxima semana ou na semana seguinte", disse outro trader deminério de ferro em Pequim. "Elas (as siderúrgicas) podem olharpara trás em janeiro e achar que os preços de agora estavambaixos." As siderúrgicas chinesas pretendem limitar a elevação dospreços contratados em 2008, mas sofrem dificuldades por contadas cotações no mercado 'spot', bastante superiores à média dospreços contratados deste ano, de aproximadamente 60 dólares portonelada (FOB) do Brasil ou cerca de 45 dólares da Austrália. A Vale também alertou os compradores chineses sobre anecessidade de diminuir as exportações no início do primeirotrimestre para corrigir o congestionamento nos portos. As exportações da australiana Hamersley também devem serreduzidas no primeiro trimestre por conta de restriçõesportuárias, segundo traders. A escassez de matéria-prima obrigou as siderúrgicaschinesas a limitar a produção em novembro após uma produçãorecorde de 42,92 milhões de toneladas em outubro. A produção deaço na China caiu para 39,36 milhões de toneladas no mêspassado, menor nível registrado desde março. "Isto confirma a nossa visão de redução na produção de açobruto da China. Os pequenos fabricantes de aço tiveram defechar diante da elevação nos preços da matéria-prima e dapressão do governo", afirmou Feng Zhang, analista da JP Morganem um relatório divulgado na sexta-feira. A China, maior produtora e consumidora de aço do mundo,precisa importar metade de suas necessidades de minério deferro. (Por Nao Nakanishi e Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.