Vale: demanda global por minério deve continuar forte

O presidente da Vale, Roger Agnelli, avalia que a demanda global por produtos básicos (commodities) em geral, e minério em particular, está forte e deve continuar forte nos próximos anos. "A demanda (global) nos dá tranqüilidade para aumentar a produção", afirmou em Nova York, durante lançamento do Centro de Investimento Internacional Sustentável Vale-Columbia, na sede da universidade.Sobre o acordo firmado ontem com a Arcelor, Agnelli afirmou que a negociação foi longa: "Eles são duros na negociação". A conclusão, porém, gerou o "maior contrato já assinado no setor de minério de ferro". O contrato de dez anos contempla a entrega de cerca de 50 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, totalizando mais de 500 milhões de toneladas. Ao apontar a duração do contrato, Agnelli destaca o comprometimento da Vale "com seus clientes no longo prazo". "A visão de longo prazo é muito importante e nos dá tranqüilidade para continuar investindo", completou.Agnelli diz que a produção da empresa como um todo tem crescido de forma "bastante acelerada" e vê a produção de carvão metalúrgico como questão estratégica para a companhia. "O plano (de investimento) de US$ 60 bilhões (em 4 anos) tem objetivo de levar ao limite a capacidade de produção (geral) no Brasil", disse o presidente da empresa. "O mercado continua forte".Agnelli afirmou que a Vale não "precisa adquirir outras (empresas) para crescer". "Temos o crescimento orgânico maior da indústria", emendou. Na área de produção, o executivo afirmou que a empresa quer reforçar o crescimento de cobre, alumínio e carvão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.