Vale descarta abrir mão de venda direta do minério

O presidente da Vale, Roger Agnelli, descartou hoje a possibilidade de a companhia abrir mão da venda direta de seus produtos para fechar a compra da Xstrata, mineradora anglo-suíça, para qual a Vale fez uma oferta. Segundo ele, ninguém comercializa melhor os produtos da Vale do que ela própria, tanto que conseguiu liderar o reajuste de até 71% no preço do minério de ferro para este ano. Em entrevista coletiva à imprensa, o executivo admitiu que existe um impasse nas negociações para a compra da Xstrata. "São muitas, muitas dificuldades para se realizar a transação." Ele fez questão de afirmar que o problema não está apenas na questão do preço a ser pago pela companhia, mas sim na maneira como cada um dos sócios avalia o negócio. Agnelli não quis revelar a oferta feita pela Vale, mas afirmou que até o momento "nenhuma especulação acertou o alvo". Apesar de sinalizar dificuldades na conclusão do negócio, Agnelli fez questão de ressaltar que a compra da Xstrata seria muito positiva para a Vale por trazer ganhos principalmente nas áreas de carvão metalúrgico e térmico, cobre e níquel. Ele aproveitou também para negar que o governo tenha feito qualquer interferência no andamento das negociações para a compra da Xstrata. Segundo ele, a preocupação de que a Vale mantenha o controle da empresa no País não é apenas do governo, mas sim de todos os acionistas da companhia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.