Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Vale reúne 60 profissionais de comunicação para atender caso Brumadinho

Mineradora montou equipe de assessores de imprensa depois do rompimento da barragem; companhia afirma que, no momento, foco é ação humanitária

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2019 | 16h08

RIO - A Vale nunca recebeu tanta demanda por informações da mídia como agora, depois que o rompimento de uma barragem da mineradora em Brumadinho (MG) deixou 65 mortos e 288 desaparecidos, segundo dados da tarde desta terça-feira, 29.

Para prestar informações à imprensa, estão mobilizadas 60 pessoas, que somam os esforços de todos os seus profissionais internos de comunicação e a empresa recém-contratada para gestão de crise, a Inpress. A Vale conta ainda com o apoio das agências de publicidade Africa e Artplan, que já atendiam a conta da mineradora.

"A Africa e a Artplan são grandes parceiros, mas não estão na gestão da crise. Temos 60 profissionais envolvidos liderados pelo diretor de comunicação Julio Gama e contando também com a Inpress", explicou a assessoria da Vale.

A preocupação do time de assessores de imprensa escalado para lidar com a tragédia é principalmente ser ágil e transparente na comunicação com a sociedade, por meio dos veículos da mídia. "Nunca teve uma procura tão grande como agora", informou uma assessora.

Uma das estratégias, iniciada nesta terça, será a divulgação de vídeos com explicações de executivos da Vale sempre que for necessário, assim como a distribuição por vídeo das coletivas que forem realizadas.

O foco da companhia no momento, porém, é a ação humanitária, explica a Vale, e por esse motivo as informações financeiras solicitadas ficarão para um segundo momento.

A Vale não quis comparar o atendimento à mídia no caso de Brumadinho com a de Mariana, alegando que na tragédia ocorrida em 2015, quando morreram 19 pessoas e ocorreu maior desastre ambiental da história do País, a gestão da crise foi realizada por profissionais da Samarco, uma joint-venture da Vale com a australiana BHP. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.