Vale é a melhor empresa para acionista

A Vale do Rio Doce, a Souza Cruz e a AmBev são as vencedoras do Ranking Agência Estado/Economática do segundo trimestre de 2002. As empresas proporcionaram os melhores resultados para seus acionistas, entre 150 analisadas.O ranking é divulgado trimestralmente e conta com uma metodologia exclusiva. A intenção é mostrar as dez companhias abertas de maior destaque para os investidores, com base em critérios que medem a rentabilidade e o desempenho. As outras vencedoras foram , pela ordem: Caemi, Ultrapar, Bradesco, Gerdau, Fosfértil, Lojas Americanas e Telesp.O presidente da Economática, Fernando Exel, afirmou que a alta do dólar está refletida no resultado. "Há uma série de empresas exportadoras entre os primeiros lugares." As três primeiras colocadas são consideradas apostas defensivas pelos analistas.A Vale se beneficia das vendas externas, já que é uma das maiores exportadoras do País. A Souza Cruz é uma tradicional boa pagadora de dividendos, uma opção de rendimento em meio à volatilidade. E a AmBev tem proteção (hedge), tanto para as dívidas quanto para os custos das matérias-primas atrelados ao dólar.Pela primeira vez, a Vale aparece como a melhor colocada no ranking. Nos dois últimos levantamentos, a companhia ficou na vice-liderança, sempre atrás da Souza Cruz. Dessa vez, o resultado se inverteu, como esperado pelo presidente da mineradora, Roger Agnelli.Durante evento de entrega do prêmio de 2001 às empresas, ele brincou com o presidente da Souza Cruz, Flávio Andrade, dizendo que o objetivo era ultrapassar a fabricante de cigarros. O diretor de relações com investidores da mineradora, Roberto Castelo Branco, afirmou que as ações da companhia são procuradas por duas razões principais: a proteção natural a crises e a estratégia definida.O diretor de relações com investidores da Souza Cruz, Nicandro Durante, disse que a política de dividendos será mantida, mesmo diante das incertezas econômicas. A intenção da segunda colocada no ranking é destinar aos acionistas todos os recursos que não forem empregados na empresa. "Entre 1995 e 2002, a companhia distribuiu 92% do lucro."Com o terceiro lugar, a AmBev assegura seu posto entre as melhores colocadas, como vem ocorrendo desde a estréia do ranking, em 2000. Apesar da empreitada para avançar suas operações na América Latina, a empresa segue com seu foco principal: o mercado brasileiro. "Estamos no rumo certo, com lucros crescentes, e o mercado valoriza esses efeitos", afirmou o diretor financeiro, Luiz Felipe Dutra.Para eleger as vencedoras, são analisados sete quesitos: Preço/Lucro, Preço/Valor patrimonial da ação, oscilação, liquidez, volatilidade, Dividendo/Valor patrimonial da ação e retorno sobre o patrimônio líquido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.