Vale é ameaçada por oposição em Moçambique

Empresa, no entanto, diz que não vai paralisar transporte de carvão e intensificou monitoração

Stefânia Akel, da Agência Estado,

26 de junho de 2013 | 17h50

LONDRES - A ameaça da oposição de Moçambique de interromper a linha ferroviária Sena, que transporta carvão para o porto de Beira, pode afetar os carregamentos da Vale e da Rio Tinto, que utilizam a linha.

Em comunicado, a Vale diz que continua a transportar carvão na ferrovia de Sena, mas que está monitorando a situação após as ameaças do partido de oposição.

A empresa já havia interrompido carregamentos este ano devido a protestos de moradores e fortes chuvas. "Estamos alertas, observando as ocorrências, evitando exposição desnecessária em possíveis zonas de confronto e trabalhando com outras companhias para ter a melhor qualidade de informação possível", disse a Vale.

A Rio Tinto, por sua vez, informou que suspendeu seus carregamentos de carvão na linha ferroviária Sena. "Interrompemos nossas operações na linha ferroviária enquanto avaliamos a situação atual", disse a Rio Tinto, em comunicado. "A produção na mina de Benga continua."

As conversas entre o governo de Moçambique e o partido de oposição Renamo começaram esta semana. Ataques na região central de Moçambique já deixaram dois mortos e diversos feridos na última sexta-feira.

(Com informações da Dow Jones.)

Tudo o que sabemos sobre:
ValeMoçambiqueprotestosÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.