Vale e BNDES criam empresa de pesquisa de energia

A Vale e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estão abrindo a empresa Vale Soluções em Energia S.A. - VSE. A VSE vai trabalhar no desenvolvimento de processos de geração de energia que não agridam o meio ambiente, que sejam sustentáveis e também com fontes energéticas renováveis.A Vale terá 51% do capital social, a empresa de participações do BNDES (BNDESPar) ficará com 44% e a empresa paulista Sygma Tecnologia, Engenharia, Indústria e Comércio LTDA. participa da sociedade, com 5%. A VSE será, na prática, o Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Energia (CDTE), que tem investimento inicial previsto em R$ 220 milhões em um período de três anos.O programa de investimentos do CDTE prevê desenvolvimentos tecnológicos e pesquisas nas áreas de gaseificação de carvão térmico e de biomassa e produção de turbinas a gás e motores pesados multicombustíveis. Também estão previstos acordos de cooperação e convênios com universidades e instituições de pesquisa com a Universidade de São Paulo (USP) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); além de contratação de uma equipe própria de cientistas e pesquisadores. Haverá também programas com apoio a pesquisas e concessão de bolsas de pós-graduação e cursos de especialização.Rio e São José dos CamposA empresa terá sede no Rio, mas fisicamente ficará instalada no Parque Tecnológico de São José dos Campos, em São Paulo, conforme estatuto social divulgado na sexta-feira. A previsão da Vale é que a nova empresa comece a operar no primeiro semestre de 2008.No final do ano passado, o presidente da mineradora, Roger Agnelli, justificou a criação da empresa pelo fato de ser uma grande consumidora de energia elétrica. A mineradora quer utilizar as novas tecnologias a serem desenvolvidas pelo Centro para garantir seu abastecimento. Da parte do BNDES, o interesse se deve ao fato de esse tipo de investimento atender a três prioridades do banco - inovação, energia e meio ambiente, segundo uma fonte da instituição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.