Vale estuda ter frota própria de navios

Empresa de transporte marítimo ajudaria a reduzir custo de frete

Alessandra Saraiva, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2007 | 00h00

Com a falta de navios e a disparada nos preços do frete, a Vale do Rio Doce já estuda criar uma empresa de transporte marítimo para minimizar os problemas de logística enfrentados hoje por seus clientes. O diretor executivo de Finanças da mineradora, Fábio Barbosa, não revela o modelo que vem sendo desenvolvido, mas adianta que a subsidiária seria dedicada ao transporte de produtos entre o Brasil e a China.A mineradora ainda não decidiu se vai entrar no negócio sozinha ou em parceira. Entre os potenciais interessados estariam siderúrgicas estrangeiras que compram minério da Vale. As siderúrgicas chinesas absorvem atualmente cerca de 400 milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas, sendo que cerca de 100 milhões são vendidos pela companhia brasileira. ''''Nossos clientes que são expostos ao mercado ''''spot'''' (à vista) têm lidado com custos crescentes de fretes'''', revelou.A questão geográfica amplia os gargalos logísticos no transporte marítimo. Como a maior parte das vendas é para a Ásia, a viagem leva em média 45 dias entre o embarque do minério no Brasil e a chegada no porto chinês. Isso ocupa os navios por mais tempo, o que reduz ainda mais a oferta de embarcações disponíveis para contratação.''''Há uma forte expansão na produção de navios, todos os estaleiros no mundo estão ocupados'''', afirmou Barbosa.A Vale financia a construção de cinco grandes navios graneleiros para a comercialização de seus produtos. Além disso, ainda tem em carteira três embarcações herdadas da antiga Docenave. O diretor não vê um arrefecimento na procura por navios nos próximos anos por conta do aquecimento na demanda mundial por minério de ferro. A expectativa é de que o mercado transoceânico movimente cerca de 750 milhões de toneladas por ano.Ao comentar sobre o aquecimento do mercado asiático, o diretor não descartou a possibilidade de que a empresa, em breve, atinja a marca de embarque de 100 milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas para a China.Nos primeiros nove meses do ano as vendas desses produtos para a China atingiram 70 milhões de toneladas, um crescimento de 22,7% ante igual período do ano passado.Em 2006, a Vale fechou o ano com embarque de 75,7 milhões de toneladas para aquele país. ''''Estamos caminhando para atingir um embarque de 100 milhões para a China'''', disse, acrescentando que essa marca ''''pode acontecer mais cedo do que se imagina''''.Segundo ele, ''''nada indica que o crescimento chinês vai desacelerar'''', disse, comentando ainda que a China já conta com reservas internacionais de US$ 1,6 trilhão, aproximadamente. Na avaliação do executivo, os próximos resultados chineses de PIB e produção industrial garantirão uma demanda aquecida para a compra de minério.NÍQUELA queda do preço do níquel no mercado internacional não atrapalha os planos da Vale para uma das novas estrelas do seu portfólio. Na avaliação de Fábio Barbosa, a demanda dos países emergentes vai garantir o preço do metal.Ele destacou que o níquel divide com o minério a maior parte da receita da empresa, e essa diversificação ajuda a equilibrar o resultado financeiro da companhia.''''No segundo trimestre tivemos problemas com embarque de minério e o níquel foi muito bem, e no terceiro trimestre o minério foi muito bem... essa diversificação ajuda a lidar com as flutuações de curto prazo'''', explicou.COM REUTERSNÚMEROS 400 milhõesde toneladas de minério de ferro e pelotas é a demanda anual das siderúrgicas chinesas100 milhõesde toneladas devem ser fornecidas à China este ano70 milhõesde toneladas de minério foram vendidas pela Vale à China de janeiro a setembro, 22,7%a mais que no mesmo período do ano passado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.