Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Vale faz parceria em refinaria

Empresa se une à Norsk Hydro em novo projeto de alumina no Pará

Dow Jones Newswires, O Estadao de S.Paulo

24 de julho de 2007 | 00h00

A norueguesa Norsk Hydro ASA e a brasileira Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) irão construir uma nova refinaria de alumina perto de Belém (PA). Ela será desenvolvida em quatro estágios de 1,85 milhão de toneladas por ano de produção de alumina cada um, totalizando ao final uma produção de 7,4 milhões de toneladas.A primeira fase tem custo estimado de US$ 1,5 bilhão. A Vale terá uma fatia de 80% no projeto, enquanto a Norsk Hydro ficará com os 20% restantes e terá o direito de participar com a mesma fatia em todas as fases seguintes. ''''A participação no novo projeto de refinaria é um importante elemento da estratégia da Hydro de expandir nossa produção de alumina e matérias-primas'''', disse o executivo-chefe da Norsk Hydro, Eivind Reiten. No Brasil, a Vale informa, por intermédio da assessoria de imprensa, que não se pronunciaria sobre o empreendimento.A construção deve começar na metade do ano que vem, informou a Hydro, e a produção deve ter início no primeiro semestre de 2011. O projeto fica localizado a cerca de cinco quilômetros da Alunorte, a maior refinaria de alumina do mundo, também controlada pela Hydro e pela Vale. A usina receberá a bauxita das operações da Vale em Paragominas (PA).PLANOSA Vale do Rio Doce tem projetos relevantes na área de não-ferrosos. A companhia chegou a considerar uma oferta pela canadense Alcan, o que a consolidaria como segunda maior mineradora do mundo. A Rio Tinto, entretanto, fez uma oferta de US$ 38,1 bilhões pela empresa e liquidou a disputa.A também canadense Alcoa entrou na briga pela Alcan com uma oferta de US$ 28 bilhões, mas retirou-a depois da proposta US$ 10 bilhões superior. A ofensiva da Rio Tinto tirou da Vale a segunda posição entre as mineradoras, mas rumores de mercado apontam que a companhia brasileira vem observando outras empresas. Entre elas estaria a própria Alcoa, também forte em alumínio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.