Vale inicia venda de ativos de papel e celulose

A Companhia Vale do Rio Doce deu início a venda de seus quatro ativos de papel e celulose, que devem render quase US$ 1 bilhão aos cofres da mineradora. Em comunicado à Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), a Vale confirmou que a Celmar vai encabeçar a lista, composta também pela Bahia Sul, Cenibra e Floresta Rio Doce. O início pela Celmar, que tem sede no Maranhão, já era esperado pelos investidores. Fontes que acompanham o processo lembram que existe apenas um interessado na empresa, que é uma parceria entre a Vale e a japonesa Nissho Iwai, que também vai se desfazer de sua participação de 15% na Celmar. A estimativa é de que a venda renda cerca de US$ 60 milhões à mineradora. Os interessados nos ativos de papel e celulose da Vale devem receber nas próximas semanas o modelo da operação. A expectativa é de que os lances sejam feitos em envelope fechado, repetindo o desenho feito para o leilão da Central Petroquímica de Camaçari (Copene).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.