Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Vale lucra R$ 5,3 bi no segundo trimestre e reverte prejuízo do ano passado

Resultado vem acima das expectativas de mercado; em comunicado, empresa informa que vai voltar a pagar dividendos aos acionistas

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2020 | 23h39

RIO - Os preços mais altos do minério de ferro no segundo trimestre e a melhora da demanda chinesa garantiram lucro de R$ 5,289 bilhões para a Vale de abril a junho, revertendo o prejuízo registrado no segundo trimestre do ano passado e elevando o ganho em relação ao primeiro trimestre deste ano. O resultado ficou acima das estimativas do mercado, que espera que no segundo semestre a empresa incremente mais a produção, afetada no início de 2020 pelos impactos da pandemia do covid-19.

“O momento mais crítico para os mercados globais parece ter sido atingido no segundo trimestre e a demanda é esperada que se recupere lentamente a partir do segundo semestre 2020”, informou a Vale. 

No segundo trimestre o preço médio do minério foi de US$ 93,3 a tonelada, 5% acima do primeiro trimestre, “em um cenário de alto nível de produtividade da siderurgia combinado com a redução dos estoques do minério de ferro nos portos da China. De acordo com a Vale, a produção de aço no gigante asiático foi 1,4% maior no segundo semestre deste ano contra igual período do ano passado. 

O analista da Mirae Asset Pedro Galdi, destacou ainda que o resultado também foi beneficiado por um preço de frete melhor do que o esperado, com queda de US$ 3,6 por tonelada, impulsionado principalmente por menores custos do combustível de navio (bunker).“Para o 3º trimestre, o custo do frete pode subir devido à exposição sazonalmente maior aos preços spot do frete”, previu a empresa.

Em comunicado, a empresa informou que vai retomar o pagamento de proventos, sob a forma de juros sobre capital próprio de aproximadamente R$ 1,41 por ação, conforme deliberado no final do ano passado. O Conselho de Administração da empresa também decidiu restabelecer a Política de Remuneração aos Acionistas, que havia sido suspensa em janeiro de 2019. Com isso, os dividendos do primeiro semestre deste ano serão pagos em setembro. No primeiro semestre, a mineradora acumula R$ 71,6 bilhões em receita com vendas.

“Após a redução de incertezas relacionado à pandemia, os riscos de uma segunda onda na China mitigados, e a estabilização e declínio dos casos de covid-19, especialmente nos estados do Norte do Brasil (especialmente Pará), a Vale avalia que o momento mais crítico foi ultrapassado e decidiu retomar suas Política de Remuneração de Acionistas”, disse a Vale em comunicado ao mercado.

O “efeito Brumadinho” do segundo semestre significou uma perda de R$ 693,1 milhões, referente às reparações à tragédia ocorrida na mina Córrego do Feijão da companhia. No segundo trimestre, a Vale reconheceu US$ 21 milhões em provisões adicionais devido a doações e negociações em andamento na frente jurídica relativa a Brumadinho. O valor total das provisões foi de US$ 3,4 bilhões, devido principalmente aos pagamentos feitos durante o ano, no valor de US$ 645 milhões e ao impacto da desvalorização do real frente ao dólar.

A Vale informou ainda, que a dívida líquida em 30 de junho atingiu o nível mais baixo desde o quarto trimestre de 2008, com redução de US$ 111 milhões em relação aos US$ 4,808 bilhões em 31 de março de 2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.