Vale pesa e Bovespa tem leve baixa após vários recordes

O principal índice terminou o pregão em queda de 0,16%, aos 54.643 pontos

Agencia Estado

21 de junho de 2007 | 12h48

Após registrar sucessivos recordes, a Bolsa de Valores de São Paulo acompanhou as variações discretas nos mercados e fechou em leve baixa nesta terça-feira, 19, com o peso das ações da Companhia Vale do Rio Doce, mas ainda sem fôlego para um embolso de lucros maior. O Ibovespa terminou o pregão em queda de 0,16%, aos 54.643 pontos. O volume financeiro ficou em R$ 4,34 bilhões. Nos EUA, as bolsas de valores fecharam em leve alta, depois de terem oscilado entre leves quedas e estabilidade no dia. As ações da Vale caíram 3,04%, para R$ 73,80. Segundo um operador de uma corretora nacional, a fraqueza segue o forte declínio dos preços do níquel no mercado internacional. O níquel caiu mais de sete% nesta terça com preocupações sobre a demanda depois de notícias de que a China poderá cortar a produção de aço inoxidável. "A Vale (caiu) em cima dos metais, o níquel andou caindo forte, e o pessoal também está realizando um pouco", comentou o operador, que pediu para não ser identificado. Na ponta contrária, no entanto, a alta de 1,33% nas ações da Petrobras, para R$ 51,64, ajudou a contrabalançar a perda da Vale. As duas detêm o maior peso no Ibovespa. "Acho que é uma realização normal da Vale, se você olhar nos últimos meses teve uma valorização considerável... e o que está mantendo a bolsa perto da estabilidade é a Petrobras", explicou Júnior Hydalgo, diretor da Trust Investimentos. De acordo com o diretor, há espaço para uma realização de lucros mais forte na Bovespa, mas o forte ingresso de recursos no mercado local impede que o índice embarque em um forte ajuste. "Acho que ainda vai subir mais, até encontrar fôlego para realizar", comentou Hydalgo. A Bovespa já registrou 24 fechamentos recordes este ano e na segunda-feira chegou bem perto dos 55 mil pontos durante os negócios.

Mais conteúdo sobre:
Bovespafechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.