Vale pretende fazer oferta primária de ações de até US$ 15 bi

Rumores no mercado dão conta de que a mineradora se prepara para realizar aquisição de grande porte

Agência Estado,

10 de junho de 2008 | 10h56

A Vale pretende fazer uma oferta pública primária de ações ordinárias e preferenciais com valor máximo de US$ 15 bilhões, incluindo a oferta inicial e o exercício da opção de "green shoe". A diretoria executiva da empresa aprovou, no dia 26 de maio, o encaminhamento dessa proposta ao conselho de administração. Veja também:Vale volta a pressionar e Bovespa começa o dia em queda A realização da oferta está sujeita à aprovação do conselho de administração da Vale e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e às condições prevalecentes no mercado de capitais global. Caso seja confirmada a realização da oferta, a Vale divulgará, publicamente e nos momentos apropriados, informações sobre suas características, inclusive valores envolvidos e o número de ações a serem ofertadas. "Na hipótese de realização da oferta, a Vale pretende utilizar os recursos líquidos provenientes para fins corporativos gerais, o que inclui o financiamento de seu agressivo programa de crescimento orgânico baseado no plano de investimento de US$ 59 bilhões, aquisições estratégicas, e a ampliação da flexibilidade financeira", diz a empresa em nota. Nos últimos dias, circulam no mercado rumores de a companhia se prepara para uma aquisição de grande porte no exterior, três meses após desistir da anglo-suíça Xstrata. Segundo fontes, a mineradora brasileira faria uma captação de US$ 30 bilhões para fazer caixa.  No final da tarde de segunda-feira, as especulações eram de que três empresas estariam na mira da Vale: Alcoa, segunda maior fabricante de alumínio do planeta; Anglo American, quarta maior mineradora do mundo, e a americana Freeport-McMoRan, gigante da produção de cobre. A Vale informou, ainda nesta terça, que no momento não mantém negociações para realização de aquisições estratégicas.

Tudo o que sabemos sobre:
ValeMercado Financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.