Vale: procedimento da Caixa será simplificado

Assim que for definido o prazo para o início da venda, o trabalhador interessado na compra de ações da Vale deve ir ao banco e fazer a sua adesão, disse o diretor de benefícios da Caixa Econômica Federal, José Renato Corrêa de Lima. A Caixa, por exemplo, terá fundos mútuos específicos para isso e, a exemplo do que ocorreu no passado com a compra de ações da Petrobrás, a opção será bastante simplificada.De acordo com Corrêa Lima, a Caixa não exigirá nem mesmo o extrato da conta do FGTS do trabalhador, pois a instituição, detentora dos saldos das contas, dispõe dessa informação. Para o cliente da Caixa bastará ir a uma de suas agências e assinar o termo de adesão.É intenção da Caixa não estabelecer valor mínimo para a aplicação. O máximo já está fixado em 50% do saldo disponível do trabalhador. O diretor da Caixa explicou que a garantia de rendimento dado pelo governo, equivalente à correção pela taxa Referencial de Juros (TR) mais 3% ao ano, só permanece para o dinheiro que ficar aplicado na Caixa. Para a parcela desviada para a compra de ações, o trabalhador só ganhará se as ações se valorizarem no mercado.Quem fizer a opção terá de permanecer, no mínimo, 12 meses com o dinheiro aplicado nas ações. O saque dos recursos do FGTS, inclusive da parcela aplicada em ações, só acontece se o trabalhador preencher os requisitos da lei 8.036, como a demissão sem justa causa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.