VALE quer manter sistema atual para preços do minério

O diretor-executivo de Ferrososda Vale, José Carlos Martins, defendeu em seminário nestaquinta-feira que o sistema atual de negociação do preço dominério de ferro seja mantido e descartou o uso de empresasintermediárias (tradings) para coordenar esse processo. Segundo Martins, o sistema de negociação direta entre asmineradoras e siderúrgicas para definir o preço anual dominério de ferro já dura 30 anos e tem se mostrado eficaz. "Quando negociamos, fazemos cara a cara, sem nenhumatrading envolvida. Não existem intermediários", afirmou Martinsdurante a 14a Conferência Internacional de Aço. "A gente negocia independente das outras (mineradoras). Asaustralianas pensam diferente, mas é o mercado que vaidecidir", acrescentou. Martins alertou que a negociação por tradings no mercado depetróleo é uma das grandes responsáveis pela forte elevação nospreços da commodity. A Vale está em plena negociação para a aquisição daXstrata, mas o processo vem esbarrando na exigência da tradingde commodities Glencore, acionista principal da mineradoraanglo-suíça, sobre assumir o papel de negociador de pelo menosparte da produção da nova empresa que surgiria da união entreas duas mineradoras. A nova empresa seria a maior do mundo em produção deminério de ferro e de níquel. O diretor ressaltou que em nenhum momento durante asconversas para a compra da Xstrata foi discutida a questão danegociação dos preços do minério de ferro. "Na questão da Xstrata, não se colocou o minério de ferro",disse Martins, sem querer comentar o andamento das negociaçõesentre as duas companhias. Martins defendeu que o preço acertado em fevereiro, queelevou em 65 e 71 por cento o valor do minério vendido pelaVale, seja adotado pelas outras mineradoras como BHP e RioTinto como vem ocorrendo nos últimos anos. "Cada empresa precisa fazer o que acha melhor. A nossavisão é muito favorável a esse sistema. Não acho que o sistemaflutuante vai ajudar a equilibrar oferta e demanda", disseMartins. Ao contrário de outros metais e minerais, o minério deferro tem o seu preço anual estipulado por contrato entresiderúrgicas e mineradoras. MALÁSIA O diretor da Vale informou ainda que a empresa estuda aconstrução de uma pelotizadora na Malásia. Segundo Martins, a Vale procura sócios para oempreendimento, que deverá produzir entre 6 milhões e 7 milhõesde toneladas de pelotas por ano. "Estamos discutindo com o cliente da Malásia. Lá tem muitaredução direta e é um mercado natural para pelotas", informou odiretor-executivo. O minério utilizado na planta, primeira pelotizadora dopaís asiático, será brasileiro. "O consumo na Malásia hoje é de 4 milhões de toneladas masvai crescer muito mais. Estamos negociando e temos intenção deconstruir", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.