Vale retoma produção na mina de Água Limpa, em Minas Gerais

Unidade estava com as atividades suspensas desde janeiro, por causa da crise global

Raquel Massote, O Estadao de S.Paulo

04 de setembro de 2009 | 00h00

A Vale informou ontem que vai retomar gradativamente as operações na Mina de Água Limpa, localizada em Rio Piracicaba, região Central de Minas Gerais. De acordo com a companhia, a decisão foi tomada tendo em vista o cenário promissor na venda de minério de ferro. As estimativas são de que a mina terá produção de 5,4 milhões de toneladas até o fim do ano, volume 17,4% maior do que o registrado em dezembro de 2008, quando a unidade produziu 4,6 milhões de toneladas.

A volta da produção na mina já havia sido antecipada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Extração do Ferro e Metais Básicos (Metabase) de Mariana e Região, José Horta Mafra Costa, no mês passado. Porém, ainda não havia sido confirmada oficialmente pela Vale.

De acordo com a mineradora, a mina foi uma das atingidas pelas medidas tomadas para reduzir os impactos decorrentes da crise financeira mundial. Nessa unidade, os empregados estiveram em férias coletivas, durante 30 dias, no período entre 2 e 31 de janeiro. Em 22 de janeiro, a Vale anunciou proposta de licença remunerada, aceita pelo Sindicato Metabase Mariana, que representa os empregados da unidade. Desde então, a produção de minério de ferro ficou suspensa por causa da baixa demanda no mercado internacional.

Durante a paralisação das atividades, 120 empregados de um quadro de 421 funcionários da unidade continuaram trabalhando para manutenção dos ativos, 115 foram transferidos para outras unidades, especialmente Itabira e Mariana, e 186 entraram em licença remunerada, conforme acordo assinado com o sindicato. Além da mina de Água Limpa, a Vale já havia anunciado a retomada da produção na mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG).

NEGOCIAÇÕES

O diretor de Ferrosos da Vale, José Carlos Martins, disse ontem em Seul, na Coreia do Sul, que a empresa está preparada para seguir qualquer sistema de preços que surgir das negociações de preços de minério de ferro com siderúrgicas chinesas, mas ainda prefere o sistema de referência anual.

As negociações de preços ainda estão travadas, uma vez que a Associação de Ferro e Aço da China mantém sua posição de obter termos melhores de preços que os obtidos por outros produtores de aço da Ásia.

Mas pequenas usinas não apoiaram essa posição e fecharam contratos meses atrás, e o maior país produtor de aço admitiu que está pagando provisoriamente os preços de referência a grandes mineradoras, apesar de não confirmar se isso significa o mesmo desconto de 33% em relação aos preços de 2008 acertados por produtores do Japão e da Coreia.

Martins está em Seul esta semana para marcar as primeiras importações de minério de ferro da Vale pela Hyundai Steel, que alimentarão o primeiro alto-forno da companhia sul-coreana, que entra em operação no início do próximo ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.