Ricardo Moraes / Reuters
Ricardo Moraes / Reuters

Vale retomará operação de Brucutu com 100% da capacidade após decisão judicial

Em fato relevante, a empresa disse que reafirma sua projeção para as vendas de minério de ferro e pelotas em 2019

O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2019 | 15h39

A mineradora Vale informou que retomará em até 72 horas a integralidade das operações a úmido em sua mina de Brucutu, em Minas Gerais, após decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra uma liminar que suspendia as atividades da barragem Laranjeiras.

Em fato relevante nesta quarta-feira, 19, a empresa disse que, com a decisão, reafirma sua projeção para as vendas de minério de ferro e pelotas em 2019, entre 307 milhões e 332 milhões de toneladas, acrescentando que “a expectativa atual é que as vendas se aproximem do centro da faixa”.

Em maio, a Vale havia afirmado que o volume de vendas deveria ficar “entre o piso e o centro do intervalo” de suas projeções, em previsão que levava em conta uma recém-anunciada decisão contra a retomada da produção em Brucutu.

A mina é a maior da Vale em Minas Gerais, com capacidade de 30 milhões de toneladas ao ano, mas a falta de autorização para as operações a úmido antes da decisão anunciada nesta quarta-feira vinha fazendo com que a unidade operasse com um terço da capacidade.

A companhia disse ainda que, com a operação integral em Brucutu, haverá “um incremento da qualidade média do portfólio de produtos da Vale”.

A mina de Brucutu e outras da Vale têm sido alvo de ações judiciais após o rompimento de uma barragem da companhia em Brumadinho (MG) em janeiro ter deixado centenas de mortos, levantando preocupações sobre a segurança das operações da mineradora. /Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Vale [empresa mineração]mineração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.