Vale se compromete a construir terminal em Gdansk

A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) e a ?trading? brasileira Comexport assinaram, em Varsóvia, uma carta de intenções com as siderúrgicas polonesas Huta Katowice e HTS, na qual as empresas da Polônia se comprometem a comprar, ao longo de dez anos, pelo menos 2,5 milhões de toneladas de minério de ferro da CVRD, por ano. Em troca, a CVRD investiria na construção de um terminal próprio no Porto de Gdanski, num valor estimado em US$ 400 milhões. Atualmente, o porto tem calado para navios de até 60 mil toneladas. Com a construção do terminal, passariam a atracar navios de até 200 mil toneladas, reduzindo o preço do frete e barateando o minério de ferro. A CVRD exporta 1,5 milhão de toneladas de minério de ferro e de manganês por ano. O presidente da CVRD, Roger Agnelli, reconheceu os esforços do governo em aumentar as exportações. "O presidente Fernando Henrique Cardoso é nosso grande embaixador", disse. O vice-presidente da Embraer, Henrique Hedzinski, também aproveitou a missão empresarial para negociar com a companhia aérea polonesa LOT a venda de novos jatos. Há dois anos, a Embraer vendeu à LOT 16 aviões, que custam US$ 18 milhões cada. "A Polônia é importantíssima", disse Hedzinski, de origem polonesa. "A presença, aqui, representa possibilidade de expansão para outros países do Leste Europeu."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.