coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Vale: veja as perspectivas de ganho

Desde o dia 5 de fevereiro, quando foi anunciada a venda das ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Companhia Vale do Rio Doce, o preço dos papéis da empresa já subiu 12,95%. Na data do anúncio, o valor da ação era de R$ 54,80 e na sexta-feira fechou cotada a R$ 61,90. Neste período o preço dos papéis chegou a atingir o pico de R$ 65,70 no dia 5 de março. Muitos analistas acreditam que o valor das ações pode subir ainda mais. Para a maioria deles, o preço-alvo dos papéis é de R$ 72,00, a ser alcançado em 12 meses. Com base nesta perspectiva, a ação da Vale do Rio Doce pode atingir um rendimento de 16,31% no período. Para quem investiu nos Fundos Mútuos de Privatização (FMPs)-Vale com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) , a projeção de ganho para o período de 12 meses é de 32,30%, levado-se em conta o preço de venda das ações na operação de oferta pública das ações com o desconto de 5%, que ficou em R$ 54,42.Investidores devem estar preparados para oscilaçõesApesar das boas perspectivas de ganho com as ações da Companhia Vale do Rio Doce, o investidor precisa estar preparado para as oscilações, o que é comum no mercado acionário. O valor dos papéis tanto pode subir quanto cair e esta movimentação pode ser brusca. Ou seja, em um único dia o investidor pode registrar perdas expressivas ou ganhos elevados.Essas oscilações poderão acontecer tanto no período de carência quanto depois destes prazos. Em qualquer uma das ocasiões, é preciso que o investidor não se precipite e espere por um melhor momento para negociar seus papéis. É muito comum que pessoas não habituadas com o mercado de ações comecem a se desfazer de seus papéis quando há uma queda brusca no valor das ações e, com isso, acabam assumindo um prejuízo grande.Vale lembrar que, em relação ao período de carência, na operação de venda das ações da Vale do Rio Doce, o investidor teve a oportunidade de comprar os papéis com desconto de 5%, mas terá que ficar com o dinheiro aplicado por pelo menos seis meses. Após este período, ele poderá migrar para um fundo de ações carteira livre-FGTS ou para um fundo Petrobrás-FGTS em que os cotistas aceitem a entrada de novos investidores. Já o retorno para a conta do FGTS só poderá ser feito após um ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.