Vale vende participação em empresa de logística por R$ 2,7 bilhões

A Vale anunciou ontem ter firmado acordo de exclusividade com a Brookfield Brasil, subsidiária da Brookfield Asset Management - gestora global que administra mais de US$ 175 bilhões em ativos - para venda de 26% de sua participação na VLI, empresa especializada no segmento de transporte de carga controlada pela mineradora. Os detalhes do acordo ainda estão sendo discutidos.

TANIA MONTEIRO/ BRASÍLIA, VANESSA STECANELLA/ SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2013 | 02h15

Paralelamente, a Vale anunciou a transferência de participação de 20% do capital da VLI para a japonesa Mitsui por R$ 1,509 bilhão, e de 15,9% para o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS), por R$ 1,2 bilhão. O FI-FGTS tem patrimônio administrado pela Caixa Econômica Federal. Se confirmado esse arranjo, a Vale ficará com uma fatia de 38,1%.

Criada em setembro de 2010, a VLI atraiu 12 grupos para a disputa, sendo dois estrangeiros. A venda da subsidiária faz parte da estratégia de desinvestimento da Vale para centrar esforços em minério de ferro, níquel, cobre, carvão e fertilizantes.

Investimentos. Ontem, o presidente da Vale, Murilo Ferreira, esteve em Brasília para detalhar o planejamento à presidente Dilma Rousseff. Ferreira deixou o Planalto afirmando que Dilma comemorou não apenas a venda como também o anúncio de reformulação de toda a empresa, com investimentos de R$ 9 bilhões, em cinco anos, o que inclui a compra de 210 locomotivas e 7.500 vagões.

Segundo o executivo, investimentos como este permitirão que, em menos de cinco anos, o País tenha "uma outra realidade em logística".

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que acompanhou a audiência da Vale com Dilma, disse que o governo "recebeu com muito entusiasmo e satisfação" a notícia da venda de participação na VLI.

Para ela, "isso mostra a capacidade das empresas brasileiras de atrair investidores e investimentos". Mostra também, segundo a ministra, a consolidação de uma empresa importante que vai ter atuação significativa na logística brasileira e complementa os esforços do plano de concessões.

Felicidade. Ao falar sobre a conversa com Dilma, Ferreira salientou que ela ficou "extremamente feliz" quando ele relatou a venda. Ele destacou ainda o entusiasmo de Dilma com o propósito de reformulação da empresa e os seus benefícios. "Estamos extremamente motivados. A gente acredita que nos próximos anos todos perceberão uma grande mudança no viés logístico brasileiro. A VLI tem um trecho muito importante que vai de Araguari, Uberaba, Ribeirão Preto, até Santos. Ele vai ser totalmente modernizado assim como tudo aquilo que abrange a parte Norte, saindo de Anápolis até São Luís, no Maranhão", disse ele.

Em fato relevante distribuído ao mercado financeiro ontem, a Vale ressaltou que os termos e condições de um potencial acordo de venda de participação para a Brookfield ainda estão sendo discutidos, não sendo possível garantir que o negócio será feito ou quais serão seus termos e condições finais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.