Vale, Xstrata e Glencore tentam última cartada

Os presidentes da mineradora anglo-suíça Xstrata, Mick Davis, e da negociadora Glencore, Ivan Glasenberg, estão chegando ao Brasil para se encontrar com o presidente da Vale, Roger Agnelli. Os três vão tentar uma última cartada para aparar as arestas que tornam a cada dia mais difícil a operação de compra da Xstrata pela Vale.O negócio chegou a um ponto praticamente sem solução. A questão financeira é um dos empecilhos. A Vale oferece 45 libras esterlinas (cerca de US$ 90) por ação da Xstrata, enquanto Xstrata e Glencore - a maior acionista da mineradora, com cerca de 35% de participação - querem 50 libras por ação (cerca de US$ 100). Além disso, a operação, avaliada em cerca de US$ 80 bilhões, pressupõe a troca de ações. Como as ações da Vale vêm registrando quedas, a questão financeira tornou-se uma equação difícil de ser resolvida. Recentemente, Agnelli afirmou que a Vale havia chegado ao seu limite na proposta.Um outro grande problema a ser contornado é a pretensão da Glencore de manter direitos sobre a comercialização de minerais que detém hoje como principal acionista da Xstrata. Esses direitos são responsáveis por boa parte da receita da empresa. A Vale, no entanto, reluta em manter esses direitos, e já afirmou que não abre mão, em nenhuma hipótese, do controle sobre a negociação do minério de ferro, seu principal produto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.